O que é Ômega 3 e como encontrar

Você sabe o que é Ômega 3 e onde encontrá-lo? Os ácidos graxos são constituintes importantes no organismo humano, por isso são amplamente estudados há mais de um século. Essas moléculas estão dentro do grupo dos lipídios e tem como um dos grupos mais importantes o grupo dos ômegas.
Ômega 3: o que é e onde encontrar! Fonte: freepik.
Ômega 3: o que é e onde encontrar! Fonte: freepik.
Os lipídios desse tipo podem servir para armazenar energia, porém eles carregam também uma gama de funções indispensáveis. Um dos mais conhecidos, também chamado de ácido alfa linolênico, é o Ômega 3. Essa “gordura do bem” apesar de ser muito falada, tem poderes que muitos não conhecem. Neste texto você saberá o que é Ômega 3, um dos mais importantes ácidos graxos, e onde você pode encontrar essa substância.

O que é Ômega 3

Ômega é um grupo de ácidos graxos essenciais ao organismo humano. Ácidos graxos são substâncias que se encontram em estado sólido quando em condições ambientes. Essas substâncias se encaixam no grupo dos lipídios.
Suplementação de Ômega 3. Fonte: Freepik.
Suplementação de Ômega 3. Fonte: Freepik.
Ele traz inúmeros benefícios para o corpo humano, por isso é de grande importância manter uma ingestão frequente dessa gordura saudável, seja por meio do alimento ou da suplementação.

O grupo Ômega

Os ácidos graxos do grupo Ômega se diferenciam de acordo com a estrutura química, ou seja, a partir do arranjo dos elementos químicos que compõe cada um deles. A partir disso surgem as nomenclaturas dos ômegas:
  • Ômega-3 ou Ácido alfa linolênico;
  • Ômega-6 ou Ácido linoleico;
  • Ômega-7 ou Ácido palmitoleico;
  • Ômega-9 ou Ácido oleico.
O grupo dos ômegas são ácidos graxos essenciais porque eles não podem ser produzidos naturalmente pelo organismo, ou seja, precisam ser repostos a partir da alimentação e por vezes a partir da suplementação. Além disso, esses ácidos graxos são gorduras insaturadas, ou seja, elas têm o poder de atuar positivamente no corpo, e eleva o colesterol “bom”. Por esse motivo, esse grupo é chamado de “gorduras boas”.

Gorduras do tipo Ômega 3

Na verdade, não existe só um tipo de gordura classificada como Ômega 3. Existem vários tipos de gorduras desse tipo, as mais citadas são: ácido alfa-linolênico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA). Por isso muitas vezes a gente esbarra com produtos rejuvenescedores que carregam nas embalagens informações como: rico em EPA, DHA ou ALA. Essas informações muitas vezes são lidas e não são associadas essas abreviações a esse tipo de gordura, mas agora você já sabe. Listamos alguns benefícios mais ligados a cada tipo de gordura acima ditas:
  • EPA: produção de eicosanóides, moléculas que regulam muitos processos físicos, como pressão arterial, contração uterina e contração muscular. Ajudam a reduzir inflamações no organismo;
  • DHA: Indispensável para o funcionamento do cérebro e representa pelo menos 7% do peso desse órgão. Muito útil em casos de depressão, Alzheimer e problemas como déficit de atenção;
  • ALA: Este último, a depender de como é processado, pode ser convertido nos dois anteriores. Sua principal função é armazenar e ser processado para produção de energia.
Cada ômega do tipo 3 pode ser encontrado em maiores ou menores quantidades em alimentos. É importante salientar que alimentos ricos nos três tipos devem ser inseridos com regularidade na dieta.

Para que serve o Ômega 3?

O ácido graxo funciona de diferentes formas e proporciona diferentes benefícios no organismo humano. Nós próximos tópicos serão listados alguns benefícios ligados diretamente ao consumo de ômega 3.

Tratamento de cânceres

Uma dieta rica em alimentos com esse composto é frequentemente recomendada a quem foi diagnosticado com esse problema, pois ela atua diretamente no momento da carcinogênese. A carcinogênese é o processo de formação do tumor. O ácido graxo age na forma de melhorar a resposta do sistema imunológico durante o processo de reprodução acelerada de células e também ajuda a prevenir casos de metástase.

Prevenção de doenças cardiovasculares

O ácido graxo atua na prevenção de fibrilação ventricular, um termo usado quando o ritmo cardíaco acelera a ponto de gerar risco de vida ao paciente. Além disso, como falado anteriormente, ele faz parte do grupo das “gorduras boas”, e tem potencial de reduzir as taxas de triglicérides plasmáticos, previne casos de morte súbita, reduz a quantidade de colesterol captado pelo fígado e tem propriedades antiarrítmicas.

Prevenção de Alzheimer

Essa gordura tem uma função importantes no sistema nervoso e sobre o cérebro, pois protege as membranas cerebrais contra lesões ocasionadas pela oxidação e pelo envelhecimento. A atuação ocorre na prevenção do problema e na presença de sintomas, de forma a amenizá-los.

Tratamento de esquizofrenia

Várias pesquisas relacionadas a esse problema relataram que os pacientes com esquizofrenia apresentavam nos exames clínicos taxas muito baixas de ômega 3. Vários testes já realizados relataram melhoria dos sintomas diante do maior consumo desse ácido graxo. As melhorias mais registradas foram em função do efeito benéfico que o composto tem sobre o cérebro de forma que reduz até o surgimento de doenças psicóticas. Outros benefícios do consumo de Ômega do tipo 3:
  • Regulação da atividade das plaquetas sanguíneas que previne AVC e infarto;
  • Regulação da pressão arterial e prevenção de doenças como a aterosclerose;
  • Diminuição do colesterol e aumento do colesterol “bom” (HDL);
  • Tratamento de diabetes a partir da redução da concentração de glicose.
Dito isso, não resta qualquer dúvida sobre a importância do ômega 3 para nosso corpo previne e ameniza os efeitos de várias enfermidades

Onde se encontra o Ômega 3?

O ácido graxo é considerado um composto funcional, ou seja: ele pode ser adquirido através da alimentação além de poder ser ingerido na forma de fármacos, a partir da suplementação. Naturalmente ele não pode ser produzido pelo organismo humano.
Alimentos ricos em Ômega 3. Fonte: Freepik.
Alimentos ricos em Ômega 3. Fonte: Freepik.
A quantidade que uma pessoa deve ingerir dessa gordura ainda não é um consenso entre os especialistas. Alguns indicam tomar no máximo 2 g por dia, outros g. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica o consumo de alimentos ricos nessa gordura pelo menos duas vezes por semana para garantir os benefícios advindos dessas.

Alimentos ricos em Ômega 3

Normalmente as pessoas associam como fonte principal dessa gordura apenas os peixes. Porém, ela pode ser consumida a partir de uma infinidade de alimentos, desde os de origem animal e vegetal. Aqui separamos uma lista de alimentos que possuem boas quantidades de ácido alfa-linolênico:
  • Sementes de abóbora, chia e cânhamo;
  • Azeite de oliva;
  • Nozes;
  • Óleo de soja;
  • Óleo de linhaça ou linhaça in natura;
  • Salmão;
  • Atum;
  • Bacalhau;
  • Grão de bico, feijão e ervilha.
É importante atentar a uma dieta que apresente esses alimentos, pois a falta dessa gordura no organismo pode causar alguns sintomas incômodos. Como dito anteriormente, o tipo alfa-linolênico (ALA) pode ser convertido em outros dois tipos de Ômega 3, por isso pode-se buscar alimentos ricos no tipo ALA. Entre esses sintomas, podemos destacar: dificuldade de atenção e sonolência, problemas de visão, lesões na pele. Em crianças, é muito comum a falta dessa gordura resultar em retardo do processo de crescimento e diarreias constantes.

Suplementação

A suplementação desse composto é predominantemente feita a partir da ingestão de cápsulas gelatinosas. Os ingredientes são: óleo de peixe bem concentrado, gelatina e umectante glicerina em menores quantidades. Uma porção de 2 g de Ômega 3 (equivalente a 2 cápsulas) contém 1,9 g de gorduras totais, dentre essas 0,7 g de gorduras monoinsaturadas, 0,6 g de gorduras saturadas e 0,6 g de gorduras poli-insaturadas. Existem efeitos colaterais da suplementação, mas muitos deles são passageiros. A maioria dos sintomas são odor de peixe (principalmente no hálito), sangramento gengival, aumento de peso corporal e dores no estômago. Informamos que mulheres em período gestacional e de amamentação, assim como crianças com menos de 3 anos devem tomar apenas com acompanhamento médico e a partir de uma análise detalhada da viabilidade.

Onde comprar

As cápsulas deste composto podem ser adquiridas no site da Nature Center . O site conta com muitas opções de quantidade e todas a preço muito justo. Os frascos contêm desde 30 até mais de 120 cápsulas para atender às suas necessidades. É sempre importante antes da ingestão de qualquer tipo de suplemento buscar orientação de um profissional de saúde habilitado a fim de garantir a máximo segurança à sua saúde.

Benefícios e vantagens ao suplementar com Ômega 3

Você conhece os benefícios e vantagens do ômega 3 para o seu corpo? Quando nos referimos a gordura logo pensamos naqueles pneuzinhos que aparecem e incomodam algumas pessoas. Porém é importante saber que as gorduras boas fazem parte e contribuem para um bom funcionamento do corpo.
Benefícios e vantagens do ômega 3. Fonte: FreePik.
Benefícios e vantagens do ômega 3. Fonte: FreePik.
Muito presente em peixes e algumas sementes, o ômega 3 é uma gordura boa que ao ser consumida pode trazer diversos benefícios. Também está presente em suplementos e pode ser uma boa opção para quem necessita. Nesse texto, será tratado mais a fundo dos inúmeros benefícios e vantagens que a ingestão dessa gordura saudável traz para o nosso corpo, seja por meio de alimentos ricos ou por meio de suplementação alimentar.

Benefícios do Ômega 3

O ômega 3 possui vários tipos de ácidos graxos, entre eles o EPA e DHA. Esses ácidos são chamados de ácido eicosapentanoico e ácido docosahexaenoico, respectivamente. Juntos com outros ácidos graxos, trazem diversos benefícios para o indivíduo.
Benefícios do ômega 3. Fonte: FreePik.
Benefícios do ômega 3. Fonte: FreePik.
É importante lembrar que antes da suplementação um profissional de saúde deve ser consultado. É essencial avaliar cada caso antes de se utilizar produtos desse gênero. De grande importância para o cérebro, suas atividades e as células, veja a seguir os alimentos ricos nessa gordura e seus inúmeros benefícios.

Alimentos que se pode encontrar ômega 3

Podemos encontrar ômega 3 em vários alimentos, que inclui:
  • Peixes, principalmente sardinha, linguado, bacalhau, salmão, arenque atum;
  • Sementes: chia e linhaça;
  • Canola;
  • Soja;
  • Vegetais verde de cor escura (rúcula, espinafre e couve);
  • Castanhas e nozes.
Além disso, a suplementação pode acontecer por meio de cápsulas, orientadas pelo profissional de saúde, de acordo com cada necessidade.

Previne doenças cardíacas

O ácido graxo eicosapentanoico (EPA) ajuda as plaquetas a trabalhar melhor. Isso melhora o fluxo de sangue, previne coágulos, o que evita problemas como AVC ou infarto. Esse ácido graxo presente no ômega 3 ainda contribui para a diminuição dos triglicerídeos. Já outro ácido graxo importante, o DHA, previne arritmias cardíacas e faz com que o coração fique estável. Isso previne problemas no sistema cardiovascular.

Diminui os níveis de colesterol

O ômega 3 contribui para a diminuição de colesterol ruim (LDL) e aumento do colesterol bom (HDL). Isso é importante para melhorar o funcionamento do organismo, já que o LDL é importante, mas quando há uma dieta pouco saudável ele pode se acumular nos vasos e causar problemas. Já ao aumentar os níveis de colesterol bom, ajuda ao organismo na produção de hormônios, evita o estresse, produção de vitaminas e outras funções como antioxidante.

Ajuda no tratamento contra a depressão

O ômega 3 possui substâncias que são importantes para que vários neurotransmissores sejam produzidos. Serotonina, em particular, o que faz com que a depressão seja combatida. Além desse neurotransmissor, ainda pode contribuir para a produção de dopamina e noradrenalina e traz o bem-estar para a vida das pessoas.

Equilibra a pressão arterial

Como o ômega 3 melhora o organismo ao diminuir o colesterol que se fixa nas paredes dos vasos sanguíneos, isso contribui para uma melhor pressão arterial. Por isso, há um melhor equilíbrio da pressão arterial e a pessoa pode ficar livre de doenças como aterosclerose, infartos ou derrames.

É importante para o funcionamento da visão

O ômega 3 é um ácido graxo presente na retina, uma parte do olho importante para a visão. Ele cobre a retina e isso contribui para uma visão ajustada.

Faz parte da composição do sistema nervoso

As substâncias presentes nessa gordura boa são importantes para o cérebro. As atividades cerebrais e comunicação entre neurônios acontece pois ele trabalha para esse melhor desempenho. Sem falar que a cognição é uma parte também influenciada pelo ômega 3. A memória e o raciocínio é beneficiado por ele.

Atua no tratamento da artrite reumatoide

A artrite reumatoide é uma doença que as articulações ficam inflamadas. Nesse caso, o sistema imunológico ataca alguns tecidos, inclusive as articulações das mãos e dos pés. O ômega 3 na forma de suplementos pode ajudar pessoas com artrite reumatoide, pois seu consumo alivia as inflamações, já que ele tem uma propriedade anti-inflamatória.

Previne a diabetes

Pesquisas mostram que quem consome alimentos ricos em ômega 3 ou até em forma de suplementos, se previne da diabetes do tipo 2, pois essa substância diminui a glicose sanguínea, contribui para um equilíbrio.

Pode ajudar a combater a obesidade

O ômega 3 é importante para o tratamento da obesidade, já que é ótimo para reduzir problemas cardíacos, tem ação anti-inflamatória e prevenção de doenças cardíacas.

Importante na gravidez

Os estudos sobre ômega 3 têm mostrado a importante desse composto para os estágios da gravidez. Estudos nos EUA tem mostrado que é importante para o desenvolvimento fetal, o que contribui para que mulheres tenham filhos mais saudáveis e fortes. Sem falar que ao ser ingerido na gravidez e sob orientação médica, pode contribuir para um bom funcionamento do corpo da mãe e ajuda na redução de partos prematuros. Também é visto em pesquisas que aumenta o QI das crianças cujas as mães ingeriu esse ácido graxo. Porém, a suplementação nesse caso só é indicada caso a grávida não tenha uma alimentação rica em ômega 3. Deve sempre buscar ajuda médica antes de iniciar essa suplementação.

Fortalece o sistema imunológico

Por sua ação anti-inflamatória e antioxidante, o ômega 3 tem ainda o benefício de fazer com que as células do sistema imune trabalhem melhor. Isso contribui para a preservação desse sistema tão importante para o nosso corpo.

É um aliado na prática de exercício físico

Ao praticar exercício físico, podemos ficar com dores musculares. Essas dores estão relacionadas com o processo inflamatório no músculo, que entrou em fadiga e agora precisa se recuperar. O ômega 3 ajuda nesse processo de recuperação. O DHA presente nessa substância pode reduzir a inflamação nos músculos e faz com que alguns compostos que causam a inflamação não sejam liberados. Isso contribui para uma melhor recuperação muscular e aumento da disposição física.

Vantagens ao usar o Ômega 3

O ômega 3 é um ácido graxo muito importante para o funcionamento do organismo. Sua capacidade de manter o corpo livre de doenças e de melhorar processos inflamatórios são incríveis, e isso chama a atenção das pessoas.
Vantagens do ômega 3. Fonte: FreePik.
Vantagens do ômega 3. Fonte: FreePik.
Porém, é importante lembrar que pode ser encontrado em alguns alimentos e pode ser consumido durante o dia a dia. A suplementação deve ser recomendada pelos profissionais de saúde, de acordo com cada caso. Além disso, a recomendação diária varia em cada caso e cada idade. Podemos encontrar inúmeras vantagens para a suplementação a base dessa gordura boa. Algumas podemos ver a seguir:
  • Reduz inflamações musculares e melhora o desempenho físico;
  • Previne a diabetes, pois controla os níveis de glicose;
  • Melhora o sistema imunológico;
  • Aumenta o funcionamento do cérebro e contribui para a memória e o raciocínio;
  • Contribui para uma boa coagulação sanguínea;
  • Age como um anti-inflamatório e assim ajuda no tratamento da artrite reumatoide e outras doenças;
  • Previne doenças cardiovasculares;
  • Reduz a pressão arterial, equilibra o colesterol e previne doenças;
  • Ajuda na liberação de neurotransmissores, o que pode ajudar no tratamento da depressão.
Além de todas essas vantagens, trata-se ainda de um composto importante para o desenvolvimento fetal. O bebê pode ser beneficiado quando a mãe se alimenta dessa substância durante a gravidez, o que ajuda no bom desenvolvimento e aumento do QI. Outra função importante se refere ao cérebro. Muitas das atividades cerebrais são beneficiadas por conta dessa gordura saudável. As células neuronais necessitam das substâncias presentes nessa gordura saudável para um bom desenvolvimento e funcionamento. Não à toa, que é um suplemento muito indicado para idosos, pois ajuda na memória, raciocínio e funcionamento dos neurônios.

Tudo Sobre Ômega 3, como tomar e onde comprar!

O Ômega 3 é responsável por desempenhar importantes funções no organismo humano, principalmente no funcionamento e desenvolvimento do cérebro e da retina. Ao falar desse tema, muitas pessoas associam ao logo ao consumo de peixes. A falta de conhecimento leva a disseminação de mitos e distorção os fatos.

Para acabar com as dúvidas frequentes. Aqui explicaremos o que é o ômega 3, a sua importância e benefícios para o organismo humano, onde encontrar, como consumir e quais as contraindicações.

O que é o Ômega 3?

Em parâmetros químicos, o ômega 3 é um ácido graxo que se liga a outras moléculas por meio do ácido carboxílico, principal grupo químico do ômega 3. Assim, é muito raro encontrar o elemento livre na natureza.

Os ácidos graxos estão presentes na maioria dos seres vivos e são essenciais à vida. Isso porque são responsáveis por funções importantes no organismo, principalmente quando relacionados aos processos metabólicos e as membranas celulares. Nos seres humanos, tem importante atuação, ainda, nas funções cerebrais e na transmissão de impulsos nervosos.

O que é o ômega 3? Fonte: Freepik.
O que é o ômega 3? Fonte: Freepik.

Com todas essas funções, é nítida a importância dele no organismo humano. No entanto, o elemento não é naturalmente sintetizado pelo organismo. Dessa forma, é necessário fazer ingestão diária do ácido. O que pode ocorrer por meio de uma alimentação balanceada e ingestão de suplementos.

Os ácidos graxos, componentes do ômega 3, tratam-se de lipídios anti-inflamatórios. Com isso, é fundamental para a síntese de elementos antioxidantes, o que causa a redução de inflamações. Não bastasse, os ácidos graxos contribuem com a absorção do oxigênio pelo plasma sanguíneo, síntese de hemoglobina e na divisão celular.

Contexto histórico

Até meados do século XX os ácidos graxos eram conhecidos como um mecanismo natural de armazenamento de energia. Acreditava-se que eles eram sintetizados pelo organismo a partir da ingestão de carboidratos e proteínas.

Apenas na década de 70 surgiram relatos sobre o ômega 3 e suas ações no metabolismo. Com aprofundamento em estudos, uma década mais tarde, os baixos níveis de dessa substância passaram a ser associados a alguns distúrbios, tais como, visuais e neurológicos.

Atualmente, sabe-se que ele tem múltiplas funções no organismo humano e contribui com o tratamento de diversas doenças. Além disso, com ação antioxidante, os ácidos graxos podem reduzir ou evitar inflamações. Mais adiante, explicaremos de forma mais detalhada os benefícios do ômega 3 a saúde.

Como tomar o Ômega 3?

O ômega 3 pode ser adquirido por meio de uma alimentação balanceada com alimentos ricos em ácidos graxos. No entanto, nem sempre apenas a alimentação é capaz de suprir as necessidades do organismo. Nessa situação, o uso de suplementos é fundamental.

Este se divide em três ácidos graxos. São estes, o ácido eicosapentaenoico – EPA, o ácido docosahexaenoico – DHA e o ácido alfa-linolênico – ALA. Os seus suplementos comumente são feitos à base de DHA e EPA.

Como tomar o ômega 3? Fonte: Freepik.
Como tomar o ômega 3? Fonte: Freepik.

Recomenda-se a ingestão de 2 cápsulas por dia antes das refeições principais, almoço e jantar. Em alguns casos podem ser recomendados três cápsulas diárias. Leia o rótulo e a bula e procure orientação médica.

As doses variam de acordo com a idade e as necessidades de cada indivíduo. Por isso, uma consulta prévia com nutricionista é essencial. Aos indivíduos saudáveis recomenda-se a ingestão de acordo com a idade, confira:

  • 0,5 g por dia até 1 ano de idade;
  • 40 mg por dia de 1 a 3 anos de idade;
  • 55 mg por dia de 4 a 8 anos de idade;
  • 70 mg por dia de 9 a 13 anos de idade;
  • 125 mg por dia de 14 a 18 anos de idade;
  • 160 mg por dia para adultos do sexo masculino;
  • 90 mg por dia para adultos do sexo feminino;
  • 115 mg por dia para gestante.

É importante ressaltar novamente, que esses valores podem variar para mais ou menos de acordo com as condições físicas de cada indivíduo. Por isso, não é recomendado em nenhuma hipótese que seja feito a ingestão de suplementos sem recomendação de um profissional devidamente habilitado.

Onde encontrar o Ômega 3?

Muitos alimentos são ricos em ômega 3 e recomendados para quem tem deficiência do óxido. Mas além de sua forma natural nos alimentos, ele ainda pode ser encontrado em cápsulas de suplementos.

Onde encontrar o ômega 3? Fonte: Freepik.
Onde encontrar o ômega 3? Fonte: Freepik.

É possível comprar o suplemento em farmácias, drogarias e lojas de produtos naturais. A Nature Center é um loja de produtos naturais que dispõem de diversos suplementos de ômega 3, com variados preços.

Seus suplementos são certificados e seguem as normas da ANVISA e da resolução RDC n° 27, de 06 de agosto de 2010. Que dispõe sobre as categorias de alimentos e embalagens isentos e com obrigatoriedade de registro sanitário.

Os preços variam de 27,00 a 250,00 reais. Com envio para todo o país a loja é acessível a todos. Em sua maioria, os suplementos são produzidos a partir do óleo de peixes. As calorias e quantidade de cápsulas são variáveis. Por isso, é sempre importante ler o rótulo antes de comprar.

Alimentos ricos em ômega 3

Popularmente, sabe-se que os peixes são ricos em ômega 3. Contudo, muitos outros alimentos da nossa cadeia alimentar dispõem do ácido. Confira na lista abaixo os principais alimentos fontes desse ácido graxo:

  • Óleos vegetais: canola, azeite;
  • Oleaginosas: nozes, castanhas, pistache, amêndoas;
  • Folhas verde escuro: brócolis, espinafre, couve;
  • Sementes: chia, linhaça;
  • Leguminosas: soja, ervilha, feijão, grão de bico;
  • Outros alimentos: ovos, leite, pães, manteiga.

É importante ressaltar que nem todo peixe, ao contrário do que se acredita, dispõem de consideráveis quantidades do ômega 3. Assim, os peixes que atendem as necessidades são:

  • Salmão;
  • Sardinha;
  • Atum;
  • Cavala;
  • Linguado;
  • Arenque.

Além disso, a pele do peixe é a principal fonte do ácido, portanto, não deve ser descartada.

Recomenda-se a ingestão de algum desses peixes ao menos duas vezes por semana. Isso porque, mesmo que tenha ômega 3, os demais alimentos não têm os óxidos em grandes quantidades, se comparado aos peixes.

Benefícios do Ômega 3

Os óxidos do ômega 3 tem inúmeras funções no organismo humano. Assim, é fundamental ao funcionamento adequado do corpo e dificulta o surgimento de diversas doenças.

Com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, o seu consumo diário reduz a possibilidade de ocorrência de infartos, previne o diabetes, alivia os sintomas da asma e esclerose múltipla, dentre outros.

Além disso, os ácidos graxos atuam diretamente na proteína C-reativa, quimiocinas e citocinas pró-inflamatória, o que contribui para o controle de inflamações. Por isso, o ômega três é utilizado no tratamento de algumas doenças.

Benefícios do ômega 3. Fonte: Freepik
Benefícios do ômega 3. Fonte: Freepik

Estudam mostram que o consumo do ômega 3 durante a gestação e lactação reduzem o risco de surgimento de doenças cognitivas e psicopatológicas na fase adulta. No entanto, o consumo deve ser sempre acompanhado e controlado por um profissional habilitado, para evitar qualquer anormalidade do seu uso negligente.

Aqui explicaremos mais alguns dos seus principais benefícios para a saúde do organismo humano.

Retardamento do envelhecimento

Como já dito, os suplementos de ômega 3 têm propriedade antioxidativa. Assim, o ômega 3 combate os radicais livres presentes no sangue e reduz o estresse oxidativo do organismo. O que resulta em um consequente retardamento do envelhecimento.

Esse processo também ocorre nos vasos do cérebro. São poucos os estudos acerca do assunto, mas pesquisadores acreditam que ele contribui com a memória e retardamento do envelhecimento do cérebro também.

Promove melhoramento do humor

Estudos comprovam que pessoas que tem uma dieta balanceada e rica em ômega 3, além de manter uma rotina física adequada, tem menor incidência a depressão e suicídio. Isso ocorre porque os óxidos do ômega 3 têm a capacidade de contribuir com a melhora do humor, e também combatem sintomas do Alzheimer.

Reduz o risco de surgimento de doenças cardiovasculares

Como já citado, o consumo de suplementos de ômega 3 reduz o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, tais como, acidente vascular cerebral – AVC, morte cardíaca, infarto do miocárdio e até mesmo a morte súbita.

Melhora clínica de pacientes com câncer

O uso do ômega 3 é comum em pacientes em tratamento. Contudo, esse uso não é com o intuito de tratar a doença, mas sim, porque estudos atestam a melhora do quadro clínico de pacientes que fazem uso do suplemento. Ou seja, seu uso em tratamentos é apenas para evitar a perda de peso do paciente, dentre outros fatores físicos.

Assim, pacientes em tratamento contra alguns tipos de câncer, como o câncer de pâncreas, fazem uso do suplemento, sob orientação médica, para melhorar a qualidade de vida, evitar a perda de peso e fortalecer o sistema para aumentar a resistência aos tratamentos de químico e fisioterapias.

Ameniza dores inflamatórias

O uso de suplementos de ômega-3 contribui com a redução da produção de glândulas com potencial inflamatório, tais como, as prostaglandinas, leucotrienos e tromboxanos. Isso resulta em uma consequente redução de dores causadas por inflamações.

Gera benefícios no tratamento de esquizofrênicos

A esquizofrenia é uma doença psíquica sem causa aparente e sem cura. O fato de não saber a causa do desenvolvimento do distúrbio dificulta o tratamento e impossibilita a cura. No entanto, muitos estudiosos e profissionais indicam tratamentos para controle ou amenização do desenvolvimento do distúrbio.

Com isso, pesquisadores atestaram que a utilização de doses elevadas do ômega-3 no tratamento de esquizofrênicos resulta em benefícios para o paciente. É recomendado doses até quatro vezes acima do que deve ser consumido por adultos saudáveis. É importante lembrar que esse processo deve ser indicado, controlado e acompanhado por um profissional habilitado.

Combate o Lúpus

O lúpus eritematoso sistêmico, conhecido popularmente por LES, é uma doença inflamatória autoimune. Ela tem por principal característica a perda de equilíbrio. Isso porque, altera a regulação imune celular e aumenta os níveis circulantes de mediadores inflamatórios.

Suplementos de ômega-3 podem ser acrescentados ao tratamento dos pacientes de LES. Com tudo, o uso da suplementação precisa ser orientado por um profissional. Pois, existem poucos estudos a respeito do papel dos ácidos graxos do ômega 3 nesses pacientes. Dessa forma, não a como definir os possíveis efeitos colaterais.

Quem pode ou não usar o Ômega 3?

O ômega 3 é composto por óxidos naturais e importantes a saúde do organismo humano. Por não ser naturalmente sintetizado pelo organismo, deve ser adquirido diariamente por meio da alimentação ou suplementos.

Quem pode ou não usar o ômega 3? Fonte: Freepik.
Quem pode ou não usar o ômega 3? Fonte: Freepik.

O uso de suplementos de ômega 3 não tem contraindicações, entretanto, em casos de doenças, uso de outros medicamentos, gestação ou lactação, recomenda-se a orientação prévia de um profissional habilitado.

É importante ressaltar que o uso de suplementos deve ser aliado a uma alimentação adequada e a prática constante de exercícios físicos. Pois, manter um estilo de vida saudável contribui com os efeitos do óxido e previne o surgimento de inúmeras doenças.

Por fim, destacamos novamente que é indispensável consulta com um profissional habilitado para que os resultados desejados sejam alcançados, bem como evitar qualquer efeito colateral.

Tribulus Terrestris – Saiba tudo sobre!

O consumo da Tribulus Terrestris ocorre há vários séculos, e traz diversos benefícios para o corpo humano. Chineses, gregos, indianos e a população da Europa antiga já conheciam e faziam uso dessa planta para os mais variados fins.
Tribulus Terrestris - Saiba tudo sobre! Fonte: FreePik.
Tribulus Terrestris – Saiba tudo sobre! Fonte: FreePik.
Aqui nesse texto, vamos conhecer melhor sobre a tribulus terrestris, como a sua definição, suas serventias para nosso corpo, as formas de ingestão, o que tem em sua composição, os efeitos colaterais trazidos pelo seu uso, os benefícios e vantagens adquiridos por quem usa essa planta e também onde comprar.

Tribulus Terrestris: o que é?

O tribulus terrestris é uma planta herbácea rasteira por ter uma estrutura um pouco mais flexível e frágil, com caules verdes e frutos arredondados, espinhosos e secos que soltam sementes em formato de espinhos afiados.
O que é Tribulus Terrestris? Fonte: FreePik
O que é Tribulus Terrestris? Fonte: FreePik
Seus galhos medem de 45 cm a 70 cm de comprimento, com folhas pequenas e compostas por 5 a 8 pares que se encontram e flores de 4 mm a 10 mm de largura, com 5 pétalas de cor amarela. Por volta de uma semana após florescer, seu fruto nasce e deixa cair de 4 a 5 sementes. As sementes são duras e cada uma possui 2 espinhos afiados de 10mm de comprimento e 4 mm a 6 mm entre eles. Por serem afiados e duros, podem furar com muita facilidade pneus de bicicletas e causar bastante dor se pisar em cima de um deles com os pés descalços. Por ter cores vivas, aparência delicada e crescimento instantâneo, ela se torna uma planta de decoração de paisagens naturais, desta forma deixam a paisagem mais bela e colorida.

Erva daninha

A Tribulus Terrestris é uma erva daninha da família Zygophyllaceae, muito conhecida por seu nome científico, algo que é incomum nas plantas medicinais, e é popularmente conhecida como videira da punctura, cabeça de cabra, cruz de malta, abre os olhos, abrolhos, entre outros nomes regionais. É considerada uma erva daninha, pois é uma planta que cresce de maneira espontânea e prejudica o plantio e o crescimento de outras diversas espécies de plantas.

Origem da Tribulus Terrestris

Sua origem ainda é incerta, embora a maioria dos pesquisadores sugerem que ela é uma planta nativa das regiões quentes como sul da Europa, sul da Ásia e África, onde seu consumo é muito popular. Atualmente é encontrado em quase todo o mundo, exceto em altas latitudes, e é classificada como uma espécie invasora em vários países. A origem do nome tribulus vem do grego “tríbulo”, que significa estrepe, uma arma de quatro pontas espinhosa. O nome terrestris vem de sua característica de planta rasteira. Como seu nome já diz, essa planta cresce horizontalmente, sempre junto ao solo e tem muita facilidade de crescer em campos, estradas e outros tipos de terrenos. Floresce na primavera e no verão, em geral, formam arbustos planos, mas podem crescer de forma vertical em sombras e entre plantas de copas mais altas. É uma planta que se adapta com facilidade, ela consegue sobreviver até em climas de deserto e em solo pobre. Contém uma série de saponinas, mas a principal responsável pelos efeitos biológicos da Tribulus Terrestris é a saponina esteroidal chamada de protodioscina.

Tribulus Terrestris: para que serve?

O consumo da Tribulus Terrestris ocorre há séculos, e traz diversos benefícios para o corpo humano. Confira alguns dos benefícios abaixo:
  • Na China: ela era para à redução de dores e para a melhoria do sistema cardiovascular.
  • Na Grécia antiga: ela era empregada como regulador intestinal e como laxante.
  • Na Índia e na Europa antiga: a Tribulus Terrestris era muito utilizada com fins afrodisíacos, e é uma alternativa para a impotência sexual e para o aumento de libido em homens e mulheres.
Tribulus Terrestris é um fitoterápico natural usado como suplemento alimentar, contém saponina, que é uma das substâncias responsáveis pela sua ação, desta forma, também rico em protodioscina, que é um composto esteroide da saponina. Portanto, possui funções vasodilatadoras no organismo, graças ao óxido nítrico que é produzido e é responsável por todos os benefícios atribuídos a essa planta. É um extrato rico em protodioscina, e é um grande aliado no controle da pressão arterial, pois inibe a enzima conversora de angiotensina, que por sua vez, se for produzida em grandes quantidades aumenta a pressão arterial. Outras substâncias encontradas nesta planta são o cálcio e os flavonoides. Saponinas Além de agir como mecanismo de defesa no organismo, as saponinas agem contra o ataque bacteriano, fúngico e de agentes protetores, e tem relação com o estímulo do hormônio luteinizante (LH). Nas mulheres o hormônio luteinizante está relacionado com o período fértil e atua como um estimulador no amadurecimento dos folículos ováricos, assim aumentam a fertilidade e as chances de uma gravidez. Enquanto nos homens, o hormônio luteinizante fica localizado em seus testículos, com auxílio do suplemento de tribulus terrestris, há um aumento na produção de testosterona. O aumento da testosterona faz aumentar a produção de espermatozoides, ajuda a combater a impotência sexual e estimula o apetite sexual. Também ajuda a aumentar a força física e a disposição para exercícios físicos. Flavonoides A cor da tribulus terrestris é graças aos flavonoides, que apesar de não ser a propriedade mais procurada ao consumir o suplemento, ele exerce uma ação analgésica, antioxidante e anti-inflamatória. Há décadas os flavonoides são utilizados por sua ação tópica em ferimentos e em alergias, como também no auxílio do reforço da imunidade. Cálcio O cálcio é um dos nutrientes necessários para o organismo humano, e sua ingestão garante ossos e tecidos saudáveis. Por ser uma planta que contém esse nutriente, a suplementação de tribulus terrestris também auxilia na oferta de cálcio ao organismo, o que ajuda a melhorar também a absorção de outros nutrientes.

Tribulus Terrestris: como tomar?

Para saber como tomar essa suplementação natural, precisa entender melhor alguns pontos e qual a intenção do consumidor ao ingerir os derivados dessa planta.
Como tomar Tribulus Terrestris? Fonte: FreePik.
Como tomar Tribulus Terrestris? Fonte: FreePik.
Vale lembrar que antes de consumir, deve-se buscar orientação sobre os impactos disso para sua vida, com um médico ou nutricionista.

Variações entre diferentes extratos

Para a produção do extrato de tribulus terrestris, a concentração de saponinas pode haver uma variação, pois essa concentração irá variar de região para região. Por se tratar de um produto natural, o solo e a temperatura onde são cultivados, são fatores de grande importância em seu cultivo, pois tem influência direta no seu desenvolvimento e nas concentrações de seus componentes naturais. Além de que nem sempre são utilizadas as mesmas partes da planta na produção do extrato. O fator determinante da força e quantidades que irão ser consumidas do extrato vem da concentração de seu principal agente ativo: a protodioscina. Extratos da Bulgária, da Turquia e da Macedônia, apresentam uma maior concentração do agente ativo protodioscina, já o extrato do Vietnã e da China, essa concentração de protodioscina é inferior. O ideal é procurar um suplemento que contenha entre 40% a 45% de concentração de saponinas e cerca de 6% de concentração de protodioscina. Isso reforça a importância de saber sempre a origem do suplemento de tribulus terrestris, bem como o acompanhamento do seu médico ou nutricionista.

Doses recomendadas

É difícil determinar uma dosagem, pois como já visto, há algumas variações entre a origem, os fabricantes, entre outros aspectos, que têm uma influência direta nas concentrações de saponinas e de protodioscina. Porém, a dose recomendada e segura da suplementação de Tribulus Terrestris é de 85 mg a 250 mg, 3 vezes ao dia. Lembre-se mais uma vez da importância do acompanhamento do seu médico ou nutricionista para definir a quantidade recomendada para cada pessoa, e a quantidade de vezes que essa suplementação alimentar deve ser ingerida por dia. A cápsula deve ser ingerida somente com um copo de água, pois a influência dessa suplementação alimentar próxima a refeições ainda não foi definida.

Tribulus Terrestris: bula e composição

Para fazer o consumo do extrato de Tribulus (Tribulus Terrestris L.), atualmente, pode-se encontrar o extrato dessa planta tanto em pó, como em cápsulas de gelatina. Assim, fornece ao organismo suas substâncias benéficas à saúde, como seus fitoterápicos, que são substâncias encontradas somente em plantas.
Tribulus Terrestris - Bula e composição! Fonte: FreePik.
Tribulus Terrestris – Bula e composição! Fonte: FreePik.
Nessa planta medicinal, encontramos uma variedade de compostos, que importantíssimo para o ser humanos, como os já citados saponinas, flavonoides e cálcio Em suma, as saponinas que agem no combate de bactérias, fungos e no estímulo da produção do hormônio luteinizante (LH). Os flavonoides têm a função analgésica, antioxidante e anti-inflamatória e o cálcio é o nutriente que garante a saúde dos nossos ossos e tecidos.

Tribulus Terrestris: efeitos colaterais

Os efeitos colaterais da ingestão da suplementação de tribulus terrestris não são totalmente conhecidos, por isso que é sempre importante ser acompanhado por um especialista no assunto.
Efeitos colaterais da Tribulus Terrestris. Fonte: FreePik.
Efeitos colaterais da Tribulus Terrestris. Fonte: FreePik.
Esse suplemento é contraindicado para crianças menores de 3 anos de idade, para gestantes, para lactantes, para idosos e para portadores de qualquer enfermidade. O consumo em excesso ou por longos períodos pode ocorrer problemas de saúde que vai variar de acordo com alguns fatores. Os principais efeitos colaterais podem ser diferentes em homens e mulheres, confira a seguir. Em homens:
  • Infertilidade;
  • Alargamento da glândula da próstata;
  • Desenvolvimento de ginecomastia (inchaço nas mamas dos homens);
  • Aumento da agressividade;
  • Atrofia muscular.
Em mulheres:
  • Crescimento anormal de pelos pelo corpo;
  • Aumento do clitóris;
  • Infertilidade;
  • Alteração do ciclo menstrual.
Em ambos os gêneros podem ocorrer:
  • Dor de cabeça;
  • Insônia;
  • Enjoo;
  • Dores de estômago;
  • Dificuldade de concentração;
  • Agitação;
  • Aumento da oleosidade da pele e de acnes.
Há casos em que pessoas sofreram intoxicação por suplementação de tribulus terrestris, mesmo ao utilizar a dose recomendada. Nessa situação, é recomendado a suspensão imediata do suplemento e entrar em contato imediato com seu médico ou nutricionista.

Tribulus Terrestris: benefícios e vantagens

A lista dos benefícios trazidos pelo uso dessa planta é extensa. A tribulus terrestris pode auxiliar em muitas coisas, como por exemplo:
  • Aumento da libido em homens e mulheres;
  • Proporciona uma ereção mais duradoura;
  • Redução dos sintomas da menopausa;
  • Estimula o sistema imunológico;
  • Aumento da imunidade;
  • Melhora a fertilidade;
  • Aumento da quantidade de espermatozoides;
  • Controla os triglicerídeos;
  • Redução da pressão arterial;
  • Redução dos níveis de colesterol;
  • Redução das taxas de gordura;
  • Melhora do humor;
  • Aumento da massa muscular em atletas;
  • Aumento da resistência e do desempenho físico em atletas;
  • Diurético;
  • Estimula a ovulação.
Para conhecer mais a fundo os principais impactos da tribulus terrestris em nosso organismo, podemos tratar mais detalhadamente sobre:

Aumento da libido

Em estudos realizados com humanos, foi constatado que a tribulus terrestris contribui com o aumento da libido e também aumenta o tempo das relações sexuais. Isso se deve ao aumento do trânsito do hormônio da testosterona. Ereção mais duradoura Por conter protodioscina, o consumo da suplementação de Tribulus Terrestris, contribui na vasodilatação, e faz aumentar o fluxo sanguíneo e o trânsito do hormônio testosterona, o que também contribui para uma ereção mais duradoura.

Aumento da massa muscular

O aumento do trânsito de testosterona também contribui no aumento da massa muscular, o que ajuda no desempenho físico e esportivo, e melhora o ganho de massa magra em homens e mulheres.

Reduz a pressão arterial

Graças ao óxido nítrico encontrado na Tribulus Terrestris, ela inibe a enzima conversora de angiotensina, que leva ao aumento da pressão arterial em quantidades altas.

Tribulus Terrestris: onde comprar

O Tribulus Terrestris pode ser encontrado in natura ou em formato de suplemento em pó ou cápsula em lojas online ou físicas de produtos naturais, como a Nature Center. Pode também ser encontrado em farmácias e drogaria em forma de suplementação alimentar em pó ou cápsula. Lembre-se sempre de buscar recomendação do seu médico ou nutricionista para utilizar qualquer suplementação alimentar.

Hibisco e seus poderes: saiba como ele melhora sua saúde

O hibisco é uma das plantas que mais tem ganho a atenção de pessoas em busca de melhorar sua saúde e bem-estar natural. Os brasileiros são muito ligados ao uso de chás e soluções com plantas naturais para tratar problemas de saúde. E assim, são poucos os que nunca ouviram falar ou experimentaram tomar um chá disso ou daquilo para alguma doença ou dor. Existem centenas de plantas, raízes, flores, etc, que são amplamente usados para remédios caseiros. E o hibisco, mais precisamente a sua flor, é uma delas, e que ganha popularidade a cada dia que passa. Neste artigo, vamos te mostrar porque o hibisco está tão em alta. Saiba agora todos os benefícios, suas funcionalidades, onde conseguir e se o hibisco possui contraindicações.

Hibisco Benefícios

O hibisco utilizado popularmente como chá vem da planta chamada Hibiscus Sabdariffa, e possui diversos benefícios para a saúde. Conheça agora alguns deles:
  1. Ajuda a emagrecer e evita o acúmulo de gordura: o chá de hibisco é um auxiliar poderoso para quem quer emagrecer. Consumido após as refeições, o chá diminui a absorção de carboidratos que eventualmente se tornam gordura, o que facilita a perda de peso. Além disso, o hibisco ainda contém antocianinas, que ajudam a evitar o acúmulo de gordura no organismo. Sendo assim, é possível dizer que hibisco emagrece.
  2. Bom diurético: a planta possui boa ação diurética, agindo nos rins para aumentar o fluxo e volume urinário. Com isso, o corpo tem menor retenção de líquidos, o que previne o inchaço e facilita ainda mais o emagrecimento.
  3. Diminui a pressão arterial: os flavonoides presentes no chá de hibisco atuam diretamente nas enzimas que são responsáveis por controlar a pressão sanguínea. Essa ação ajuda a diminuir a pressão arterial.
  4. Bom para o cérebro: o hibisco é um aliado poderoso da saúde e bom funcionamento do cérebro. A planta possui vitaminas do Complexo B importantes como a B1 e B2. Elas ajudam o corpo na captação de energia para as células e na manutenção de funções como o metabolismo de glicose e oxigênio. Tais vitaminas interferem positivamente na comunicação entre neurônios, e das células neuronais com as demais partes do corpo.
  5. Controle do colesterol: o consumo do hibisco, seja seu chá, cápsulas ou em outro formato tem o benefício de auxiliar o organismo a controlar o colesterol. Especialmente o seu chá, que consegue reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar ao mesmo tempo o colesterol bom (HDL). Algumas pesquisas comprovam que a redução do colesterol ruim pode ser reduzida em 8% com o chá de hibisco. Já o aumento do colesterol bom após o consumo do chá pode chegar a 16,7%.
  6. Contribui para a saúde do coração: os flavonóides presentes no hibisco ajudam a saúde do coração. No organismo, eles têm ação vasodilatadora e cardioprotetora, que melhora o funcionamento do sistema cardiovascular e diminui os riscos de problemas como o infarto e o AVC. Além disso, a ação do hibisco no controle do colesterol e redução de triglicerídeos também ajuda na manutenção da saúde do coração.
  7. Ação antioxidante: a planta do hibisco, especialmente as sementes e o cálice da flor, são ricas em componentes antioxidantes. No organismo após o consumo, esses componentes, como o beta-caroteno e a vitamina C, ajudam fortemente no combate aos radicais livres, que causam o envelhecimento precoce e a quebra das células. O que previne o envelhecimento do corpo e surgimento de rugas e linhas de expressão, além de prevenir doenças degenerativas como o Alzheimer.
  8. Melhora o Sistema Imunológico: por ser rico em vitamina C, o hibisco auxilia na melhora e fortalecimento do sistema imunológico. Para colher este benefício, o consumo do chá ou do hibisco em cápsulas é o mais indicado.
  9. Melhora o processo de digestão: os compostos presentes no hibisco exercem um efeito estimulante no intestino. Esses compostos facilitam a passagem e a eliminação do bolo fecal.

Hibisco para que serve

Como acaba de conhecer, o hibisco possui uma variedade ampla de benefícios. E por conta deles, o consumo do seu chá, por exemplo, é indicado para muitas finalidades. A mais popular delas é o seu consumo com o objetivo de facilitar regimes de emagrecimento. O hibisco também é indicado para melhora do intestino, fígado e rins. Naturalmente, o chá de hibisco também é indicado para pessoas que tem problemas constantes de pressão alta. E ainda pode ser utilizado como aliado na luta contra o envelhecimento precoce.

Hibisco onde comprar

É possível encontrar o hibisco no mercado em sementes, flores ensacadas para chá, comprimidos e também cápsulas. Na Nature Center, por exemplo, é possível encontrar diversas opções de produtos para aproveitar os benefícios desta planta. Nossa loja conta com toda uma sessão dedicada ao hibisco. Saquinhos com as flores da planta, sachês de chá, cápsulas, comprimidos e também opções do chá em pó. Nossa categoria tem todas as versões possíveis, você só não consome e se beneficia do hibisco se quiser.

Hibisco Contra Indicação

O hibisco é cheio de propriedades e componentes que melhoram a saúde e bem-estar. No entanto, ele possui algumas contraindicações que devem ser observadas antes de fazer consumo da planta. Assim, é possível evitar problemas de saúde que, por incrível que pareça, o hibisco pode provocar em alguns casos. Gestantes e lactantes não podem fazer consumo de forma alguma do hibisco. Pois o hibisco pode prejudicar a qualidade do leite materno, e também possui um efeito abortivo pois causa alterações hormonais e na musculatura uterina. O consumo de hibisco também pode ocasionar alguns efeitos colaterais. Um desses efeitos é a desidratação, que pode ser causada pela perda de sódio e potássio por exemplo. Essa perda ocorre por conta do aumento da eliminação de eletrólitos que o consumo do hibisco causa. Junto com a desidratação podem ocorrer sintomas como tonturas, desmaios, fraquezas e  contrações musculares. O hibisco pode provocar problemas de pressão baixa se tomado em excesso. Embora ele ajude a regular a pressão de quem tem problema de pressão alta, o chá de hibisco pode fazer mal se tomado com outros medicamentos. Portanto, saiba que o hibisco é uma ótima planta para a saúde, mas que deve ser consumida com cuidado.

Garanta mais saúde hoje mesmo com os poderes do hibisco

Agora que você sabe que o hibisco tem muitos benefícios para saúde. E que sabe também que esta planta precisa ser consumida com cuidado, só resta agora adicionar o hibisco na sua dieta. E você pode contar com a Nature Center para este importante passo na melhora da sua saúde e bem-estar. Basta clicar aqui para conferir toda nossa categoria de produtos com o máximo poder do hibisco.

Falta de vitamina C: Sintomas e Cuidados

A reputação da Vitamina C, conhecida formalmente como ácido ascórbico, é totalmente merecida. Uma das substâncias mais importantes em inúmeros aspectos do funcionamento do nosso corpo, essa importância é sentida ainda mais quando ela está ausente ou se encontra em quantidades abaixo do ideal. Aqui nós iremos enumerar para vocês as diversas implicações negativas que uma dieta carente em quantidades apropriadas de Vitamina C pode ter no organismo, além das principais doenças que podem acometer crianças e adultos com um quadro de hipovitaminose. Por último, serão listadas algumas precauções para manter níveis aceitáveis da vitamina em seu organismo e evitar problemas futuros, seja através de cuidados com a sua dieta ou de suplementação por meio de itens disponíveis aqui na Nature Center!

Doenças Causadas pela Falta de Vitamina C

Para enumerar as doenças causadas pela ausência do ácido ascórbico no organismo, deve-se primeiramente enumerar as funções dele, para se ter uma ideia do que é perdido quando ele não se encontra em níveis ideais.
Doenças Causadas pela Falta de Vitamina C – Fonte: Freepik.
Doenças Causadas pela Falta de Vitamina C – Fonte: Freepik.
Além de participar nos processos de respiração celular, a substância também é fundamental na síntese de adrenalina e a dopamina. Além disso, a Vitamina C confere os benefícios de tornar o organismo mais resistente contra infecções e fortalecer a integridade das paredes dos vasos sanguíneos. É uma substância fundamental na formação de praticamente todos os tecidos do nosso corpo, além de desempenhar um papel-chave nos processos de regeneração deles.

Escorbuto

A relação entre a deficiência de Vitamina C e o desenvolvimento do escorbuto começou a ser feita lá no século XVIII, quando muitos marinheiros contraíram a doença durante longas viagens marítimas e chegavam a morrer no processo. James Lind, um médico escocês, foi o primeiro a se tornar notório por pesquisas relacionando as duas coisas. Tal notoriedade culminou na publicação de um estudo em 1753, onde era comprovado que o quadro do escorbuto poderia ser remediado pela ingestão de sucos cítricos. As descobertas do estudo foram ganhando popularidade ao longo dos anos até que, em 1795, a marinha britânica tornou obrigatória a ingestão de frutos cítricos pelos marinheiros. Após contrair o escorbuto, um quadro sintomático demora poucos meses para se desenvolver. A lista de sintomas inclui, mas não se limita a: hemorragia subcutânea; gengivas doloridas, inchadas e arroxeadas; dentes frouxos; inchaço nas articulações; cabelo seco e quebradiço; pele áspera e escamosa; acúmulo de líquido nas pernas; fadiga e possível desenvolvimento de anemia; e uma maior probabilidade de infecções. Como mencionado na história dos marinheiros do século XVIII, casos mais graves dessa doença podem até mesmo levar à morte, especialmente se não forem tratados de forma adequada.

Doença de Barlow

A grande importância que a Vitamina C tem na composição das fibras colágenas, na reparação de tecidos e na manutenção da integridade dos tecidos musculares torna sua ausência sentida em crianças mais jovens através da Doença de Barlow, conhecida popularmente como sopro no coração. Doença de Barlow, mais frequente em crianças com hipovitaminose, é também chamada de prolapso da válvula mitral. Trata-se de um problema cardíaco no qual a válvula mitral, que separa as câmaras superior e inferior (respectivamente, átrio e ventrículo) esquerdos do coração, não fecha apropriadamente e se torna incapaz de impedir o retorno de sangue do ventrículo para o átrio. Essa insuficiência da válvula mitral gera um “ruído cardíaco” durante a contração do ventrículo, que é conhecido como sopro mesossistólico e pode ser detectado através da auscultação por meio de estetoscópio.

Falta de Vitamina C: Sintomas

A deficiência grave (com alta probabilidade de desenvolver doenças) é caracterizada por um nível abaixo de 0,2 mg de vitamina no sangue.
Falta de Vitamina C: Sintomas – Fonte: Freepik.
Falta de Vitamina C: Sintomas – Fonte: Freepik.
Além de provocar o Escorbuto e a Doença de Barlow, a falta de vitamina C é frequentemente relacionada com o retardo na cicatrização de feridas. Isso se deve ao fato supracitado de que ela apresenta papel essencial na produção do colágeno e reparação de tecidos. Um estudo realizado pela pesquisadora Anitra Carr analisou os efeitos da vitamina C em pessoas doentes com quadros clínicos variados. Dentre outros pacientes analisados, aqueles que possuíam baixos níveis de vitamina C estavam mais propensos a ter choque séptico, que consiste no estágio avançado de uma infecção que é caracterizado por comprometer vários órgãos do corpo ao mesmo tempo, com possibilidade de levar à morte. Além disso, o estudo da doutora Carr mostrou que a vitamina C reduz a duração dos comuns quadros de gripe e resfriado, além de ajudar muito na melhora do humor de pacientes, fazendo com que o tratamento ocorra de forma mais tranquila. Quanto à parte de melhorar o humor, a explicação para isso é o seguinte: visto que o ácido ascórbico influencia na produção de dopamina e adrenalina, tal como foi dito no início do texto, adultos que estiverem aderindo a uma dieta com baixo teor da substância podem se sentir mais cansados, fracos e irritadiços. Além disso, eles podem perder peso e apresentar falta de definição muscular, além de dores nas articulações mesmo antes de o quadro (possivelmente) evoluir para escorbuto. Bebês e crianças com o mesmo problema podem ficar irritados, sentir dor ao tentar se movimentar ou sofrer com perda de apetite. Bebês não ganham peso como fariam normalmente. O crescimento ósseo é prejudicado em bebês e crianças, e também há a possibilidade de sangramentos e anemia.

Cuidados com a Falta de Vitamina C

Pode-se prevenir a deficiência de vitamina C através de uma ingestão regular das quantidades recomendadas de alimentos ricos no nutriente, tais como frutas e verduras frescas, ou tomando a quantidade recomendada em suplementos diários.
Cuidados com a Falta de Vitamina C – Fonte: Freepik.
Cuidados com a Falta de Vitamina C – Fonte: Freepik.
Frutas e vegetais frescos são as principais fontes de Vitamina C, e as únicas que você precisa normalmente para repor o nutriente em circunstâncias usuais. Por exemplo, como fora dito anteriormente, frutas cítricas e derivados são altamente ricos nessa substância, e geralmente se encontram no topo das listas de alimentos relacionados à vitamina. Além disso, há uma grande variedade de suplementos como os que estão disponíveis na Nature Center em cápsulas, gomas mastigáveis (que certamente irão agradar as crianças), efervescente, entre outras formas. A quantidade diária idealmente recomendada para pessoas adultas no geral é de 100 miligramas, embora pessoas que se encontram em situações excepcionais a exemplo de infecções, gravidez, amamentação e tabagismo exigem quantidades mais altas para suprir essa necessidade. Claro, seria preciso consumir menos de 10 mg ao dia para haver a possibilidade de chegar a um quadro como escorbuto, mas “apenas” ter o hábito de ingerir qualquer quantidade inferior à metade da recomendação diária tem sido relacionada a um aumento do risco de ataque cardíaco. Vale lembrar também que o consumo não pode exceder 2.000 mg por dia em hipótese alguma, pois quantidades excessivas dessa substância podem prejudicar o organismo causando diarreia, náusea, vômito, dor de cabeça e insônia.

Alimentos Ricos em Vitamina C

Quando se fala em uma alimentação mais saudável, normalmente o que quer se dizer com isso é falar de uma alimentação balanceada, que seja seja equilibrada entre carboidratos, proteínas e em destaque vitaminas e minerais. Dentre as vitaminas que o nosso corpo precisa, a Vitamina C provavelmente é uma das mais práticas para serem consumidas no dia a dia, com uma grande variedade de fontes e uma riquíssima diversidade de sabores que podem ser incluídas na dieta. Até por isso, saber as fontes de vitamina C é algo muito importante para qualquer pessoa que está em busca de ser saudável. A Vitamina C contribui para o bom funcionamento do sistema imunológico, também contribui para o reparo dos tecidos danificados, para prevenir o envelhecimento precoce e até mesmo para o bom funcionamento do cérebro. Conhecer as principais fontes dessa vitamina e saber incluí-las de maneira adequada na alimentação é o primeiro grande passo para que você possa ter uma alimentação e uma vida realmente saudável.

Alimentos com Vitamina C

Frutas e vegetais podem ser facilmente citadas como as maiores e mais efetivas fontes de Vitamina C. Por isso, focar na alimentação com esse tipo de alimento é um grande passo para aumentar o consumo desse nutriente tão importante em sua dieta.
Alimentos com Vitamina C fonte: Freepik.
Alimentos com Vitamina C fonte: Freepik.
Um ponto positivo de incluir com frequência frutas e vegetais na alimentação é que quando você come menos alimentos processados, naturalmente estará ingerindo mais nutrientes importantes e menos substâncias prejudiciais para o seu corpo. Além disso, esses alimentos também trazem uma série de benefícios e nutrientes que se complementam entre si, proporcionando uma mais efetiva e abrangente absorção de vitaminas e minerais. Uma alimentação o mais natural possível seria a melhor forma de garantir uma nutrição segura, completa e saudável. Abaixo, poderemos relacionar exemplos de alimentos ricos em Vitamina C.

Pimentas

Uma fonte surpreendentemente rica e até mesmo subestimada são as pimentas em geral. Uma pimenta verde contém em média 109 miligramas de Vitamina C, quantidade que corresponderia a cerca de 121% da ingestão diária recomendada. Pimentas vermelhas contém, em média, 65 miligramas, o que corresponde a 72% do recomendado. (1, 2) Além disso, o composto que dá às pimentas o seu sabor picante característico, a capsaicina, tem numerosos benefícios. Algumas pesquisas mostram que essa substância seria capaz de reduzir casos de dor crônica e riscos de inflamação no corpo (3). Segundo pesquisas, haveria também certa evidência de que algumas substâncias presentes nas pimentas ajudam na queima de gordura. (4)

Pimentões Amarelos

Os pimentões também são uma rica fonte de Vitamina C. Ao contrário das pimentas, no entanto, a quantidade dessa vitamina presente nos pimentões tende a aumentar à medida que eles amadurecem. Assim, os pimentões amarelos são a melhor fonte de vitamina, nesse caso. Apenas 75 gramas de pimentão amarelo contém 137 miligramas da Vitamina C, o que corresponde a 152% do valor diário mínimo necessário (5). Esse valor seria o dobro da quantidade encontrada nos pimentões verdes. Estudos feitos com o aumento da ingestão dessa vitamina a partir dos pimentões mostram a importância de ter uma ingestão diária saudável. Uma pesquisa feita com cerca de 300 participantes do sexo feminino teria descoberto que aquelas com hábitos de praticar um maior consumo de vitamina C na dieta tiveram um risco 33% menor de desenvolver catarata, quando comparado àquelas com menor ingestão. (6)

Couve

A couve é um vegetal do grupo dos crucíferos. Essa família de plantas abriga um grande número de alimentos saudáveis, riquíssimos em uma grande variedade de nutrientes e fibras. Recomenda-se fortemente que eles façam parte de qualquer dieta. Uma xícara de couve cortada crua contém cerca de 80 miligramas de vitamina C, o que chega a quase 90% da ingestão diária mínima recomendada. Estão presentes neste vegetal, também, quantidades consideráveis de de vitamina K, além dos carotenóides luteína e zeaxantina, que se transforma na Vitamina A em nosso corpo. (7) Geralmente, o cozimento desses vegetais reduz um pouco a quantidade de vitamina por grama. Porém, estudos correlacionaram o preparo, seja através do cozimento ou fritura, a um aumento na quantidade de antioxidantes disponíveis para ingestão. Essas substâncias poderosas ajudam a reduzir doenças inflamatórias e crônicas. (8)

Frutas ricas em Vitamina C

A vitamina C tem uma característica marcante em relação a diversos nutrientes: ela integra o quadro nutricional de uma grande maioria das frutas. Em menor ou maior quantidade, é possível encontrar esse nutriente em praticamente qualquer fruta, seja ela uma das que comemos no nosso dia a dia ou mais exótica.
Frutas ricas em Vitamina C Fonte: Freepik.
Frutas ricas em Vitamina C Fonte: Freepik.
Mesmo assim, é importante saber quais frutas têm um maior percentual desse nutriente. Toda fruta também tem calorias, então por mais que você deva sempre comer uma boa quantidade de frutas diariamente, é importante conhecer as que são mais nutritivas e então tomar passos necessários para que essas sejam priorizadas em nossa alimentação. Assim, podemos obter a maior quantidade de nutrientes com o menor teor calórico possível. Isso é especialmente importante em dietas de emagrecimento.

Frutas Cítricas

Quando alguém menciona as fontes Vitamina C, normalmente se falaria de frutas cítricas. Uma fruta muito presente no cardápio dos brasileiros, a laranja, bem como outras frutas cítricas possuem diversos benefícios e o seu alto teor desse nutriente é apenas um deles. Uma laranja de tamanho médio possui cerca de 70 miligramas dessa vitamina, o que seria o equivalente a mais ou menos 78% do valor mínimo recomendado. As acerolas, outra fruta cítrica bem conhecida no Brasil, possui ainda mais desse nutriente, proporcionalmente. As outras frutas cítricas também possuem quantidades significativas de vitamina C. Tangerinas, diferentes tipos de limões, outras frutas como abacaxi e podemos citar até mesmo frutas um tanto quanto diferentes em algumas regiões do Brasil como o caju ou exóticas como a toranja são excelentes opções para obter esse nutriente.

Goiaba

A goiaba é uma fruta conhecida por ser típica de países como o México e estar presente em diversas regiões da América do Sul. Ela é certamente conhecida por muitos brasileiros e seria uma das frutas mais ricas em vitamina C, apresentando ainda em sua composição outras substâncias importantíssimas. Ela possui uma carne vermelha e costuma ser bem doce. É rica em fibras e no antioxidante licopeno. Além disso, uma única goiaba conteria cerca de 126 miligramas de Vitamina C, o que corresponde a incríveis 140% do valor diário recomendado. Ou seja, uma única goiaba seria eficaz em suprir as necessidades diárias médias de uma pessoa saudável dessa vitamina. (9) Além disso, diversos estudos mostram os benefícios da goiaba. Nos Estados Unidos, um estudo que durou cerca de 6 semanas e contou com a participação de 45 pessoas saudáveis teria descoberto uma correlação entre o consumo diário de goiaba e uma grande redução nos casos de pressão alta e nos níveis totais de colesterol (10). Isso pode estar ligado ao grande potencial das vitaminas presentes na goiaba em combater a retenção de líquido, que tende a aumentar a pressão sanguínea. Além disso, um dos benefícios diretamente relacionado ao valor de fibras presente nessa fruta seria a redução de LDL, o colesterol ruim.  

Biotina

Em uma época como a que vivemos atualmente, se discute cada vez mais a importância do uso e consumo saudável de vitaminas e minerais. Entre esses últimos, se tem falado muito a respeito da biotina, de como manter os seus níveis no corpo em um patamar saudável e inclusive de seu potencial para ajudar a combater alguns tipos de problemas e síndromes.
Suplemento que contém Biotina. Fonte da foto: Freepik.
Suplemento que contém Biotina. Fonte da foto: Freepik.
Levando em consideração o quanto vitaminas e minerais são nutrientes essenciais para o funcionamento do nosso corpo como um todo, a biotina é importantíssima para a regulação de diversas funções corporais, como no sistema nervoso, sanguíneo e capilar. Por isso, é de suma importância conhecer e incluir os diversos alimentos que contém uma quantidade boa e saudável de biotina para garantir a presença desse vitamina em sua alimentação.

Biotina: O que é?

A biotina é a nomenclatura a vitamina do complexo B de fórmula química C10H16N2O3S que pode ser chamada por outros nomes, como vitamina H, B7 ou B8. Ela pode ser achada normalmente nos tecidos de órgãos diferente animais, como por exemplo fígado e rins, e em outro alimentos como gema de ovo, cereais integrais e nozes.
Alimentos que contém Biotina. Fonte da foto: Freepik.
Alimentos que contém Biotina. Fonte da foto: Freepik.
Essa vitamina executa inúmeras funcionalidades significativas dentro do corpo humano, como precaver a queda de cabelo, conservar a saúde da pele, do sangue e do sistema nervoso. Ela também consegue beneficiar a absorção de outras vitaminas que compõem o complexo B dentro do intestino. Essa vitamina hidrossolúvel ela pode ser obtida de duas formas diferentes. A primeira é a partir do nosso próprio corpo sintetizada pela nossa flora bacteriana intestinal. A segunda forma é através da ingestão de alimentos diversos, como fígado, gema do ovo, carne, frutas e leite. Essa vitamina atua no nível mais simples para na síntese de enzimas que deflagram várias funções orgânicas e que podem ajudar durante o tratamento de inúmeras doenças. A mesma possui um papel especial em facilitar o organismo a utilizar a glicose que é a primordial matriz de energia do nosso corpo. A Vitamina B7 é dirigida em especial para os pacientes que tratam do problema da síndrome das unhas frágeis e tratamento da deficiência de biotinidase (DB). Ela é bastante conhecida por ser usada em produtos ligados a estética, visando principalmente nas regiões dos fios capilares e das unhas. Embora exista uma relação positiva entre a suplementação da vitamina e outras doenças diferentes, como um tipo específico de queda de cabelo, neuropatia diabética e outras questões neurológicas, ainda não existem trabalhos que comprovem o benefício da suplementação em indivíduos que queiram apenas melhorar a saúde dos fios capilares e possuem uma nutrição adequada. A biotina tem que ser reposta todo dia porque o organismo humano não consegue guardá-la. Seu excesso pode ser eliminado através da urina. (FONTE)

Biotina: Como tomar?

É recomendado quantidades diárias da biotina entre 30 a 100 mcg para adultos e entre 25 a 30 mcg para crianças de 4 e 10 anos. Ela pode ser ingerida por intermédio do consumo de alimentos que são ricos em vitamina H ou por meio de suplementos nutricionais.

Suplemento

Não existe um padrão único de dose máxima ou mínima de biotina, por conta disso se é recomendado o seu uso conforme as orientações de especialistas da área médica ou do nutricional, já que a quantidade de biotina pode se transformar conforme seja a marca por trás do suplemento. Contudo, comumente é utilizado o padrão de 2,5 mg por dia durante um período de 6 meses por via oral em seres humanos para fortalecer as unhas e cabelos.
Vitaminas que contém Biotina
Vitaminas que contém Biotina. Fonte da foto: Freepik.
Além disso, a biotina pode ser encontrada também em shampoos para tratamentos capilares. Mesmo que não tenha comprovação científica da eficácia desses shampoos no fortalecimento do cabelo, acredita-se que o seu uso diário poderia fortalecer as fibras e favorecer o seu crescimento.

Alimentos

É recomendável ingerir todo dia comidas ricas em biotina como exemplo, amendoim, avelã, farelo de trigo, ovo cozido, noz picada, amêndoa, pão integral, entre outros. Elas também podem ajudar no combate a queda de cabelo e fazer os fios capilares crescerem de forma mais rápida. (FONTE)

Biotina: Para que serve o seu consumo?

Além de ser recomendada para pessoas que enfrentam problemas de queda de cabelo, pele ressecada e quebra de unhas, o consumo pode ser feito por pessoas com deficiência de sintetizar vitamina B7. Essa vitamina também é recomendada no auxílio de tratamentos de alopecia (perda de cabelo) e acne. Dentre os sintomas mais recorrentes de quem possui uma certa deficiência de biotina é a falta de saúde da pele, cabelo e unhas, já que esta vitamina tem enorme contribuição no processo de formação de queratina que é o componente responsável dessas estruturas do corpo. (FONTE)

Biotina: Bula e composição

A unidade da cápsula de biotina suplementar é composta por vitamina B7 ou H, pantotenato de cálcio, tiamina, ácido fólico; excipiente: silicato de magnésio; antiumectante; dióxido de silício; cápsula: gelatina. A cápsula possui ausência de glúten.

Recomendação de uso

É recomendável a ingestão de duas cápsulas ao dia, de preferência que seja próximo das refeições diárias. Gestantes, lactantes e crianças (até três anos) só podem consumir este suplemento mediante a orientação de nutricionistas ou médicos. (FONTE)

Biotina: Quais são os seus efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais causados pela biotina geralmente são bem raros de acontecer, mas quando ocorrem podem ser descritos como: desconforto gastrointestinal, irritação na pele, náuseas e diarreia.

Alterações nos resultados de exames de sangue

Desde o ano de 2012, os especialistas da área começaram a relatar alguns trabalhos que mostram interferência da biotina nos resultados de exames de níveis hormonais. Outras publicações também demonstraram alterações nos exames de avaliação de função tireoidiana (TSH, T4, T4 livre e T3).
Alterações nos resultados de exames de sangue
Alterações nos resultados de exames de sangue. Fonte da foto: Freepik.
Nestes estudos, os pacientes que utilizaram dosagens diárias altas de biotina demonstraram resultados similares ao hipertireoidismo, no caso, valores altos de hormônios tireoidianos e valores suprimidos de TSH, mas sem nenhuma manifestação médica de tireotoxicose.

Biotina: Quais são os seus benefícios?

Benefício para a pele: A biotina possui um ótimo benefício para a pele, isto ocorre devido ao fato dela ajudar na síntese de queratina, um dos principais constituintes desse tecido e responsável por dar elasticidade e resistência a pele. A falta de biotina pode fazer com que sua pele fique ressecada, escamosa e com uma vermelhidão ao redor da região entre a boca e o nariz.
Benefício para o cabelo
Benefício para o cabelo. Fonte da foto: Freepik.
Benefício para o cabelo: A biotina em níveis abaixo das necessidades do corpo pode fazer com que ocorra a queda e o enfraquecimento dos cabelos. Ainda não existe uma prova concreta com a relação entre o cabelo e os nutrientes, mas a biotina possui uma relação com a produção da queratina, proteína que é presente no cabelo. Benefício para as unhas: A ausência de biotina pode ser responsável por enfraquecer as unhas. Existem alguns estudiosos que acreditam que isto acontece devido ao fato do nutriente ter relação com a proteína que compõe as unhas, a queratina. Benefício para o auxílio na absorção correta dos nutrientes: A biotina, junto com outras vitaminas do complexo B, ajuda o aumento de metabolismo de carboidratos, gorduras e proteínas, aumentando o potencial de absorção de nutrientes do corpo. Benefício para o metabolismo: A biotina é responsável por ativar enzimas, o que se faz com que a vitamina B7 seja uma enorme parceira do metabolismo. Levando em consideração que as enzimas são essenciais para se ter uma digestão positiva, já que elas são encarregados por quebrar os nutrientes em pequenas unidades para que possam ser absorvidos por dentro do nosso organismo, ela auxilia não só em um processo digestivo mais eficiente, como também em uma forma de absorção de nutrientes bem mais rápida. Benefício para o reparo dos tecidos: A biotina também auxilia com suas funções importantes que agem no crescimento e conserto de uma enorme variedade de tecidos do corpo humano. Por exemplo, o crescimento da medula óssea depende da biotina, da mesma forma como o reparo das células nervosas que de vez em outra podem ser danificadas. Benefício para a perder peso: Como a vitamina têm várias funções no metabolismo, conseguindo ativar as enzimas para que os nutrientes importantes sejam absorvidos de forma melhor e bem mais rápida, ela consegue evitar com que o corpo tenha reações negativas que podem até levar a um acúmulo de gordura e crescimento do apetite. Benefício na redução dos níveis de colesterol: A vitamina H age de modo direto no bom funcionamento da saúde do sistema circulatório e no cardíaco. Quando se consome uma determinada quantidade ideal de biotina por dia por intermédio da alimentação ou suplementação de remédios, consegue-se reduzir os níveis de colesterol dentro do organismo. Esse efeito também acontece com os níveis de triglicerídeos, que também são considerados nocivos para o sistema circulatório em níveis acima da normalidade, considerando o fato de que o mesmo pode piorar problemas com o colesterol. Benefício para maior ganho de massa muscular: O aumento do ganho de massa muscular pode-se também ter impacto por meio das ações da biotina, considerando a situação de que ela é capaz de ajeitar os tecidos danificados. Ela ainda consegue garantir com que o corpo tenha a energia que precisa para se obter a síntese proteica, um fator que é indispensável para o crescimento dos músculos, por conta do seu papel no processo digestivo.

Benefícios que ainda estão em estudo

Dentre os benefícios da biotina para quem tem diabetes destaca-se uma melhor metabolização de carboidratos. Entretanto, ainda se fazem necessárias mais algumas outras pesquisas para que se possa comprovar este possível benefício.

Sintomas causadas pela ausência de biotina

A deficiência da biotina não é bastante comum porque o nutriente está muito presente na alimentação. Mesmo assim, quando a deficiência da vitamina da B7 ocorre, os indícios da falta deste nutriente específico são: fraqueza nos cabelos e unhas, calvície, pele ressecada e escamosa e vermelhidão no nariz e na boca. Algumas outras complicações que podem ocorrer por conta da deficiência desta vitamina consegue se demonstrar quando ocorre a queda de fios capilares, problemas na pele como dermatites, coceiras, acnes. A hipovitaminose de vitamina B7 pode provocar também conjuntivite e problemas neurológicos sob a forma de doença, formigamento das extremidades, alucinações e depressão. A falta dessa vitamina pode aumentar a deficiência de outros nutrientes, como aquelas outras causadas por conta de fatores genéticos, que podem levar a uma menor eficiência do sistema imunológico. A falta da vitamina consegue provocar também certas alterações na visão e audição, atrasar o crescimento e provocar dermatites. Grandes déficits de biotina podem causar problemas mentais, como depressão, apatia, alucinações e formigamento nos braços e pernas. A deficiência dessa vitamina pode acontecer por causa de um defeito genético ou pelo vício em cigarros. Se percebe ainda uma enorme concentração desta vitamina abaixo do ideal principalmente em idosos, viciados em álcool, pessoas com problemas digestivos, pacientes epilépticos e atletas. Gestantes e lactantes também possuem possibilidades de sofrer frequentemente com a falta dessa vitamina. A suplementação de biotina quase nunca é necessária para as pessoas que não possuem uma deficiência hereditária dessa vitamina, mas é absolutamente essencial para pacientes que apresentam falta da vitamina B7. (FONTE)

Vitamina D: Saiba tudo sobre!

Vitamina D é o nome dado a um grupo de vários compostos lipossolúveis que são considerados nutrientes essenciais para o corpo. A fórmula estrutural química dessas substâncias tem o composto orgânico tóxico isopreno como unidade fundamental, e se formam a partir de uma variação do colesterol. As principais formas nas quais a Vitamina D pode ser encontrada são a Vitamina D₂ (ergocalciferol) e a vitamina D₃ (colecalciferol). Enquanto o ergocalciferol é de origem vegetal e pode ser produzido comercialmente através da irradiação de substâncias presentes em leveduras e plantas, o colecalciferol é de origem animal e se forma, no caso dos seres humanos, através da interação entre raios ultravioleta e colesteróis que existem nas camadas superficiais da pele.

Vitamina D: Para que serve?

A Vitamina D exerce inúmeras funções no corpo humano e a importância da mesma faz com que sua ausência seja rapidamente sentida em uma variedade de sistemas. Como um hormônio cuja principal função é regular a quantidade de fósforo e cálcio em nosso organismo, aumentando assim a absorção desses sais minerais pelo intestino, a vitamina D é fundamental no que diz respeito à saúde de nossos ossos e força muscular. Mas isso não é tudo. As funções do cálcio e o fósforo, regulados pela vitamina D, se aplicam a todos os músculos sem exceção, e o coração é um deles. Essas substâncias influenciam o controle das contrações do músculo cardíaco, sendo importantes para bombear sangue para o corpo. Além disso, as células que fazem parte do sistema imunológico, a exemplo dos linfócitos, os mesmos têm alguns receptores para a vitamina D, que atua no fortalecimento do sistema de defesa e auxilia na prevenção de doenças. A vitamina D também vem sendo usada como uma ferramenta experimental para combater doenças autoimunes, pois acredita-se que essa substância poderia inibir de forma seletiva a reação autodestrutiva do organismo nesses casos. Estudos iniciais já indicam que talvez a vitamina D poderia auxiliar na prevenção de alguns tipos de câncer, tendo em vista a sua atuação no processo de diferenciação celular, que poderia até mesmo evitar o aparecimento de células cancerosas.

Doenças causadas pela falta de Vitamina D

Há inúmeras doenças comumente associadas à deficiência de Vitamina D, que vão desde questões mais diretamente relacionadas à fragilidade óssea e fraqueza muscular como o raquitismo e da osteomalácia, até outras doenças com ligações menos óbvias mas que são igualmente preocupantes, a exemplo de obesidade, depressão e câncer. É importante lembrar que a associação entre a hipovitaminose e essas doenças não diz respeito necessariamente a uma relação de causalidade, mas todas elas podem ser prevenidas ou abrandadas no caso de a pessoa estar com seus níveis adequados da vitamina no organismo.

Vitamina D: como tomar?

Há duas formas comumente reconhecidas através das quais a pessoa pode melhorar os níveis de vitamina D em seu próprio corpo: a exposição moderada aos raios solares, e a inclusão de alimentos apropriados na dieta.
Vitamina D: como tomar? fonte: Freepik.
No que se refere à exposição ao sol, a importância dessa prática reside no fato de que a Vitamina D tem a particularidade de ser produzida pelo nosso próprio organismo através da interação entre a pele e os raios ultravioleta, na forma de um hormônio sintetizado a partir do colesterol (o colecalciferol citado no início deste artigo). Para evitar a carência da substância, é importante ficar entre 15 a 20 minutos sob o sol por dia. Braços e pernas devem estar expostos, pois a quantidade de vitamina D que será sintetizada graças à interação dos raios solares com a pele é proporcional a quantidade de pele que está sendo exposta. Se realizada da maneira recomendada por uma pessoa saudável, a exposição solar já fornece quantidades suficientes de Vitamina D para suprir as necessidades diárias. Como essa prática por si só já consegue proporcionar um nível considerável da substância, é importante também que um profissional da saúde realize uma análise das necessidades do indivíduo, a fim de saber se, no caso específico, essa rotina é suficiente ou se é preciso acompanhá-la com uma alimentação fortificada ou uso de suplementos. A ingestão de Vitamina D através da alimentação se dá por meio de alimentos ricos em lipídios (gordura), e a substância está presente em uma maior concentração em peixes, derivados do leite como manteiga e queijos gordurosos, e fígado.

Melhor horário para tomar Vitamina D

É recomendado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, com respaldo no posicionamento da Academia Americana de Dermatologia e de outras entidades internacionais, que a exposição do corpo aos raios solares seja realizada diariamente e de maneira rigorosamente controlada, tendo em mente uma lista de precauções.
Melhor horário para tomar Vitamina D
Melhor horário para tomar Vitamina D Fonte: Freepik.
Antes de tudo, é necessário evitar a exposição no intervalo entre as 10 da manhã e 3 da tarde, visto que o sol neste período de tempo está mais forte. Agora, quanto aos procedimentos que devem ser tomados na hora de se expôr ao sol, é recomendado o uso de algumas “barreiras” físicas para os raios solares (tais como chapéus, camisetas e guarda-sóis) no momento da exposição, além de (se possível) protetor solar com fator de proteção mínimo de 15. Especificamente falando do protetor solar, é necessário que ele seja aplicado de forma abundante (aproximadamente 40 mL, ou uma pequena xícara de café, para todo o corpo) cerca de meia hora antes do início da exposição, e repetir a aplicação após duas horas de exposição ou após imersão em água durante dita exposição. Mesmo tomando sol regularmente e tendo uma dieta balanceada você pode não obter a quantidade necessária de vitamina D que o seu corpo precisa por diferentes fatores. Por isso, a suplementação alimentar pode ser uma boa alternativa para aumentar os níveis de Vitamina D.

Alimentos com Vitamina D

As fontes de vitamina D encontradas na alimentação do dia a dia são as comidas gordurosas no geral. Esses alimentos apresentam variadas quantidades de ambas as formas do nutriente — vitamina D₂ e vitamina D₃ — e a ingestão dos mesmos deve ser feita de forma complementar à exposição ao sol. A recomendação diária de Vitamina D para uma pessoa adulta é de aproximadamente 600 “unidades internacionais” (IUs) do nutriente. Algumas fontes de vitamina D bastante nutritivas que podem ser adquiridas no mercado vêm nos peixes e demais frutos do mar. Para se ter uma ideia, 100 gramas de salmão enlatado contém aproximadamente 650 IUs de vitamina D, o que é mais que suficiente para suprir as necessidades diárias. Outros alimentos com um valor de vitamina D considerável em sua composição são gemas de ovo, derivados do leite — em especial queijos das variedades cheddar, suíço e ricota, embora se deva prestar atenção no teor de gordura presente nos mesmos –, carnes de fígado animal e cogumelos cultivados com alta exposição aos raios solares.

Suplemento de Vitamina D

Para reposição de Vitamina D no organismo caso os outros meios de obter o nutriente não estejam sendo suficientes, pode-se recorrer a diversos suplementos que vêm na forma de gomas, cápsulas, comprimidos e óleos.
Suplemento de Vitamina D fonte: Freepik.
Os suplementos podem ser utilizados caso for constatada carência da substância ou como parte do tratamento de algumas doenças. A constatação de carência da Vitamina D ocorre após exame de sangue. Vale lembrar que a suplementação da Vitamina D deve ser realizada apenas mediante orientação médica para o consumo dessas doses extras. As opções em goma são especialmente interessantes para convencer crianças a realizar a suplementação, graças à facilidade de mastigá-las e aos sabores nos quais elas vêm. O Óleo de Fígado de Bacalhau, que pode ser encontrado na forma líquida e em cápsulas, também é uma boa opção que também é rica em vitamina A e Ômega 3. Em tratamentos específicos, o médico poderá indicar uma “superdose” de vitamina D, que seria uma quantidade que excede os níveis normalmente orientados. Nesses casos, o consumo deve ser feito estritamente conforme orientação médica e é preciso observar os níveis de ingestão de cálcio e de líquidos por parte da pessoa, visto que pode ser necessária uma redução no consumo do mineral, acompanhada de um aumento proporcional no consumo dos líquidos.

Qual o nível normal de Vitamina D no sangue?

Valores considerados normais de Vitamina D no sangue pelos médicos é  entre 20 a 30 nanogramas de vitamina D por mililitro (ng/mL) de sangue.
Qual o nível normal de Vitamina D no sangue? Fonte: Freepik.
Segundo posicionamento do Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral da SBEM, as diferentes medidas de Vitamina D presentes no sangue de uma pessoa adulta e seus respectivos significados são:
  • Abaixo de 10 ng/mL equivalem a deficiência, uma quantidade perigosamente baixa que certamente traduzirá em graves doenças relacionadas à falta de mineralização óssea;
  • Entre 10 e 20 ng/mL caracterizam insuficiência, com risco de haver remodelação e possivelmente perda de massa óssea;
  • Entre 20 e 60 ng/mL é o nível ideal, com 30 ng/mL sendo o mínimo recomendado para pessoas pertencentes a grupos de risco como lactantes, gestantes, idosos, pessoas que sofrem de quedas e fraturas recorrentes, pacientes com doenças inflamatórias, osteoporose, raquitismo, hiperparatireoidismo, doenças autoimunes, doenças renais crônica ou síndromes de má absorção (clínicas ou pós-cirúrgicas, como a bariátrica);
  • Entre 60 e 100 ng/mL é acima da dosagem ideal, podendo começar a gerar alguns efeitos negativos;
  • Acima de 100 ng/mL caracteriza superdosagem.

Perguntas Frequentes

Aqui responderemos algumas perguntas frequentes onde as pessoas se indagam sobre a utilidade da Vitamina D, e perguntas que podem estar relacionadas aos tópicos acima também.

Quais os sintomas da falta da vitamina D no corpo?

Como dito no artigo, a Vitamina D tem várias utilidades para o corpo, e claro, a deficiência de Vitamina D acarreta em vários problemas de saúde, obviamente nem todos os sintomas aqui citados são exclusivos de falta de Vitamina D. Não leve a nossa explanação dos possíveis problemas da deficiência da Vitamina D como um diagnóstico, sempre consulte um médico especializado, e nunca utilize medicações ou suplementos sem avaliação médica. esse aviso obrigatório sendo exposto, vamos seguir o artigo. Dentre os sintomas de falta de Vitamina D se encontram: fácil suscetibilidade a doenças, fadiga e cansaço recorrentes (sem esforço físico demasiado envolvido), dor nos ossos e nas costas, depressão, dificuldade de cicatrização, perda óssea e perda de cabelo.

Como saber quando a vitamina D está baixa?

O déficit de vitamina D pode ser comprovado através de exames de sangue próprios para esse meio. De acordo com a OMS, é considerada a insuficiência de Vitamina D quando a concentração se mostra menor que 30 ng/ml (nanogramas por mililitro de sangue). Valores abaixo da amostragem de 10 ng/ml são classificados como insuficiência grave.

Vitamina D: Para que serve, como tomar e melhor horário

Em um momento crítico onde muitas pessoas se vêem forçadas a permanecer isoladas em suas casas, se torna cada vez maior a preocupação de como manter seus níveis saudáveis de vitaminas e minerais em seu corpo de maneira eficaz e saudável. Tendo em vista a importância das vitaminas no corpo humano e a Vitamina D sendo a responsável por regular várias funções biológicas essenciais, é imprescindível — especialmente na presença do cenário atual, onde as alternativas estão limitadas — incluir em sua dieta uma variedade considerável de alimentos que possam suprir as necessidades diárias da substância para manter o seu corpo o mais saudável possível. Veja a seguir para que serve, como tomar e melhor horário para se consumir a Vitamina D no seu dia a dia, para se manter sempre saudável e com um desempenho satisfatório.

Vitamina D para que serve

A Vitamina D exerce inúmeras funções no corpo humano e a importância da mesma faz com que sua ausência seja rapidamente sentida em uma variedade de sintomas tais como dores nas articulações, nos músculos e ossos, fadiga, fraqueza muscular dentre vários outros.
Vitamina D para que serve fonte: freepik.
Como um hormônio cuja principal função é regular a quantidade de cálcio e fósforo em nosso organismo, aumentando a absorção desses sais minerais no intestino, a vitamina D é fundamental no que diz respeito à saúde de nossos ossos e força muscular. Mas isso não é tudo. As funções do cálcio e o fósforo, quando bem regulados pela vitamina D, se aplicam a todos os músculos sem exceção, e o coração, o principal músculo do corpo humano é um deles. Essas substâncias influenciam o controle e ritmo das contrações do músculo cardíaco, sendo importantes para bombear sangue para o corpo. Além disso, as células que fazem parte do sistema imunológico, a exemplo dos linfócitos, têm receptores para a vitamina D, que atua no fortalecimento do sistema de defesa e auxilia na prevenção de doenças. A vitamina D também vem sendo usada como uma ferramenta experimental para combater doenças autoimunes, pois acredita-se que essa substância poderia inibir de forma seletiva a reação auto-destrutiva do organismo nesses casos. Estudos iniciais já indicam que a vitamina D poderia auxiliar na prevenção de diversos tipos de câncer, tendo em vista a sua atuação no processo de diferenciação celular, que poderia até mesmo evitar o aparecimento de células cancerosas.

Vitamina D como tomar

Há três formas comumente reconhecidas através das quais a pessoa pode melhorar os níveis de vitamina D em seu próprio corpo: a exposição moderada aos raios solares, a adequação alimentar e inserção de alimentos apropriados para uma dieta equilibrada, e é claro, a adição de suplementos alimentares no dia a dia.
Vitamina D como tomar Fonte: Freepik.
No que se refere à exposição ao sol, a importância dessa prática reside no fato de que a Vitamina D tem a particularidade de ser produzida pelo nosso próprio organismo através da interação entre a pele e os raios ultravioleta, na forma de um hormônio sintetizado a partir do colesterol (o colecalciferol citado no início deste artigo). Para evitar a carência da substância, é importante ficar entre 15 a 20 minutos sob o sol por dia. Braços e pernas devem estar expostos, pois a quantidade de vitamina D que será sintetizada graças à interação dos raios solares com a pele é proporcional a quantidade de pele que está sendo exposta. Se realizada da maneira recomendada por uma pessoa saudável, a exposição solar já fornece quantidades suficientes de Vitamina D para suprir as necessidades diárias. Como essa prática por si só já consegue proporcionar um nível considerável da substância, é importante também que um profissional da saúde realize uma análise das necessidades do indivíduo, a fim de saber se, no caso específico, essa rotina é suficiente ou se é preciso acompanhá-la com uma alimentação fortificada ou uso de suplementos. A ingestão de Vitamina D através da alimentação se dá por meio de alimentos ricos em lipídios (gordura), e a substância está presente em uma maior concentração em peixes, derivados do leite como manteiga e queijos gordurosos, e fígado.

Qual melhor horário para tomar Vitamina D

Recomenda-se que a exposição do corpo ao sol é ideal se realizada diariamente, com protetor solar e com o corpo devidamente descoberto para maior contato com a radiação ultravioleta, nos horários anteriores as 10 da manhã e posteriores às 3 da tarde por um total de 10 a 15 minutos todos os dias. Esse horário é, segundo estudos, aquele onde a produção de vitamina D pelo organismo seria mais eficiente.
Qual melhor horário para tomar Vitamina D. fonte: Freepik.
Os horários entre as 10 da manhã e as 3 da tarde devem ser evitados, pois o mesmo é o horário de pico de sol, onde os raios solares se encontram com maior intensidade, podendo acarretar em danos permanentes à pele e até mesmo doenças como o câncer de pele. Para o caso de não consiga evitar esse contato é sempre interessante ter em mãos um bom protetor solar. Outras fontes recomendam um total acumulado de 140 minutos de exposição à luz solar ao longo da semana, podendo-se atingir esse total passando 20 minutos sob o sol todos os dias ou tomando 1 hora e 10 minutos de sol em apenas dois dias da semana. Não é interessante seguir rotinas semelhantes ao segundo cenário descrito, visto que a exposição prolongada ao sol causa o escurecimento da pele, formando uma camada cada vez maior de melanina, esta que serve como barreira para a radiação ultravioleta e consequentemente a longo prazo dificulta a produção de vitamina D. Quanto à alimentação, o melhor horário para ingerir alimentos gordurosos fonte de Vitamina D seria a hora do almoço, tendo em vista o “ritmo” acelerado no qual a maioria das pessoas se encontram a essa hora do dia. Resta lembrar que a alimentação e a exposição ao sol não são formas as únicas e exclusivas formas de se obter Vitamina D, pois a quantidade deste nutriente adquirida por meio dos alimentos e do banho de sol muitas vezes não é o suficiente para suprir o organismo, sendo assim resta também a alternativa de complementar sua alimentação adicionando na mesma os suplementos alimentares, onde os mesmos têm cargas extras não somente de Vitamina D mas também de outras Vitaminas, Minerais, Proteína e etc.

Alimentos e suplementos com Vitamina D

Em um momento onde muitas pessoas estão forçadas a permanecer em casa, vem se tornando cada vez maior a preocupação sobre como manter os níveis de Vitamina D no corpo de maneira eficaz e saudável. Tendo em vista a importância da Vitamina D como responsável por regular diversas funções biológicas essenciais, é imprescindível — especialmente em face do cenário atual, onde as alternativas são limitadas — incluir na sua dieta uma boa variedade de alimentos que possam suprir as necessidades diárias dessa substância para manter o seu corpo saudável.

Vitamina D: o que é?

Vitamina D é a nomenclatura geral para um grupo de compostos lipossolúveis que também são nutrientes essenciais para o corpo. Podemos encontrá-la em duas formas: Vitamina D2, também chamada de ergocalciferol, que possui origem vegetal e é obtida apenas através da alimentação; e Vitamina D3 ou colecalciferol, de origem animal, que pode ser sintetizada pelo próprio corpo através do contato entre a radiação ultravioleta e a pele.
Vitamina D: o que é? Fonte: Freepik.
A importância da Vitamina D no corpo humano diz respeito ao seu papel de regular o cálcio no organismo, permitindo sua absorção pelo intestino para que as células funcionem e os ossos e dentes sejam fortalecidos; sem falar na influência exercida por essa vitamina sobre inúmeros aspectos do sistema imunológico.

Alimentos com Vitamina D

Embora o corpo humano seja de fato capaz de sintetizar a Vitamina D apenas por seu contato com a luz solar, é igualmente importante a inclusão, como parte da sua dieta, de alimentos ricos nesses nutrientes.
Alimentos com Vitamina D. Fonte: Freepick.
Importante lembrar também que o consumo de alimentos ricos em Vitamina D deve ser feito de forma complementar à exposição ao sol, não tratado como um substituto.

Peixes

Algumas das fontes de vitamina D mais consistentemente nutritivas que podem ser encontradas no cotidiano são os peixes e demais frutos do mar. Entre os diversos tipos de peixes enlatados que podem ser facilmente comprados no mercado merece destaque o salmão, do qual 100 gramas contêm aproximadamente 650 “unidades internacionais” (IUs) de vitamina D, que seria mais do que a recomendação diária de 600 IUs para uma pessoa adulta. Outros peixes enlatados que possuem as maiores quantidades de vitamina D são: o atum, do qual 100g conservadas em água fornecem 154 IUs, com uma quantidade ainda maior se estiverem conservadas em óleo, embora enlatados desse último tipo sejam consideravelmente mais gordurosos; e a sardinha, da qual duas latas oferecem 46 IUs.

Gema de Ovo

Além de serem considerados excelentes fontes de proteína, ovos são importantes para suprir a dose diária de vitamina D. Uma gema grande de ovo, por exemplo, tem 37 IUs de vitamina D em sua composição. Apesar de serem associados ao colesterol, os ovos não têm relação alguma com o aumento de risco de problemas cardíacos.

Derivados do Leite

Laticínios no geral são fontes razoáveis de vitamina D, com algumas variedades específicas de queijos fornecendo quantidades mais consideráveis. No entanto, deve-se pesar esse benefício contra o teor de gordura presente em tais alimentos para saber se a inclusão dos mesmos em sua dieta vale a pena. Os tipos de queijo que mais possuem vitaminam D são o cheddar, suíço e ricota. Uma fatia comum de queijo suíço, por exemplo, contém aproximadamente 6 IUs, além de ser riquíssimo em proteínas e cálcio. Um único copo de ricota, por sua vez, oferece a quantidade de 25 IUs, porém a taxa de gordura elevada presente no mesmo torna necessário o consumo moderado do alimento. Além dos queijos, o leite reduzido em gorduras pode ser uma excelente fonte de vitamina D. Uma caneca com 200ml de leite enriquecido com vitamina D por si só pode suprir quase metade da quantidade diária recomendada desse nutriente.

Carnes

Carnes bovinas no geral contêm quantidades pequenas de Vitamina D, mas o bife de fígado é particularmente nutritivo nesse quesito, com 100g sendo capaz de prover 42 IUs da substância além de uma quantidade considerável de ferro. Fígado de galinha também pode ser uma fonte de vitamina D, fornecendo um valor aproximado de 6,67 IUs do nutriente a cada 100g.

Cogumelos

Os cogumelos mais ricos em vitamina D, e consequentemente mais benéficos para a saúde, são aqueles cultivados com maior exposição à luz solar a exemplo de: shimeji, shitake, champignon, portobello e funghi. É importante prestar atenção na marca do produto, pois nem todas priorizam o cultivo dessa forma. Cogumelos são uma opção especialmente interessante para estabilizar os níveis da vitamina no organismo de pessoas que seguem uma dieta vegana, sem consumo de qualquer alimento de origem animal, podendo prover até 400 UI de vitamina D em uma porção de 100g.

Suplementos de Vitamina D

Para a reposição da Vitamina D no organismo caso a alimentação e a exposição à luz solar não sejam suficientes, há uma grande variedade de suplementos alimentares na forma de gomas, cápsulas, comprimidos e óleos, todos eles disponíveis no Nature Center.
Suplementos de Vitamina D. Fonte: Freepik.
As opções em goma, por exemplo, vêm com sabores variados desde blueberry até tutti-frutti, e a facilidade de mastigá-las torna a suplementação uma atividade divertida, principalmente quando se diz respeito às crianças, que normalmente são resistentes a esse tipo de coisa. Outra inclusão interessante é o Óleo de Fígado de Bacalhau, um dos mais célebres suplementos alimentares da história que pode ser encontrado na forma líquida e em cápsulas. Além de concentrar altas quantidades de vitamina D, esse óleo essencial também é rico em vitamina A e Ômega 3. Obrigado por acompanhar nosso conteúdo sobre Alimentos e suplementos com Vitamina D. Espero que todas as suas dúvidas sobre as fontes de vitamina D tenham sido sanadas por esse texto. Se quiser saber mais consulte os nossos outros textos sobre vitamina D.
beneficios-da-vitamina-c-destaque

Entenda os benefícios da vitamina c !

A vitamina C, também conhecida como ácido ascórbico, é um nutriente essencial que ajuda a manter o nosso corpo em bom funcionamento. É um dos nutrientes mais seguros e eficazes, dizem os especialistas. Pode não ser a cura para o resfriado comum, embora seja pensado para ajudar a prevenir complicações mais graves.  
beneficios-da-vitamina-c-frutas
Fonte: Freepik.com

Os benefícios da vitamina C podem incluir proteção contra:

  • Deficiências do sistema imunológico;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Problemas de saúde pré-natal;
  • Doenças oculares;
  • Rugas da pele.
Encontrada em alimentos e suplementos alimentares, essa vitamina ajuda em muitas funções biológicas, incluindo a síntese de colágeno, a cicatrização de feridas e o reparo e manutenção de cartilagem, ossos e dentes. A vitamina C também é um antioxidante, o que significa que pode neutralizar os radicais livres que podem danificar as células no nível genético, retardando o envelhecimento precoce. Ela tem sido usada historicamente para prevenir ou tratar o escorbuto e outras doenças associadas à deficiência dessa vitamina. Hoje, é amplamente apontado como uma defesa natural contra os resfriados comuns. Embora a vitamina C seja considerada um “reforço imunológico”, existem poucas evidências de que a ingestão possa realmente prevenir ou tratar uma infecção. Atuando assim, mais no equilíbrio dos processos que participa e na prevenção do que no tratamento de doenças e problemas de saúde. Acredita-se ainda que a vitamina C ajude na prevenção de inúmeras doenças, incluindo resfriados, asma, bronquite, câncer, dor crônica, catarata, gastrite, glaucoma, doença cardíaca, pressão alta, osteoartrite e doença de Parkinson, embora a verdadeira eficácia seja na prevenção e tratamento  dessas doenças ainda esteja sendo investigada por especialistas no mundo todo. No entanto, sendo uma Vitamina Hidrossolúvel, ela precisa ser constantemente reabastecida pelo organismo, pois é muito facilmente eliminada pela urina. Esse fato leva muitas pessoas a fazer a suplementação da vitamina C através de cápsulas e comprimidos. Entenda melhor a seguir.

Vitamina C em cápsulas

A ingestão diária recomendada de vitamina C é de 75 mg para mulheres e 90 mg para homens.   Embora seja geralmente recomendado consumir alimentos com vitamina C, muitas pessoas recorrem a suplementos para atender às suas necessidades. Isso é facilmente alcançado através da dieta, portanto, a suplementação de doses baixas é geralmente desnecessária. Doses mais altas de vitamina C, até 2.000 mg, são usadas para apoiar o sistema imunológico (para atletas) ou reduzir a duração do resfriado comum. A maioria dos estudos sobre vitamina C prescreve uma dose por dia. A alegação de que tomar 2.000 mg até cinco vezes por dia para reduzir otimamente os sintomas do resfriado não é suficientemente testada e requer mais evidências. E uma das apresentações mais comuns como suplemento é através de cápsulas, que fazem parte do dia a dia de muitas pessoas atualmente. As cápsulas de vitaminas e normalmente tem 1000 mg e podem conter diferenças nos componentes de sua fórmula.  
beneficios-da-vitamina-c-capsulas
Fonte: Freepik.com

Quais os cuidados que eu devo ter para escolher a melhor cápsula de vitamina C ?

Confira a dosagem e dê uma boa lida em todos os componentes da fórmula do suplemento, normalmente as cápsulas não costumam conter vitamina C pura. Assim, existem diferentes composições de suplementação da vitamina, inclusive algumas são vegetarianas.  O ideal é que você de preferência para cápsulas que possuam a maior quantidade de ingredientes naturais possível.

Quais as consequências do excesso de vitamina C para o organismo ?

A sobrecarga de vitamina C, particularmente por meio de injeções intravenosas, tem sido demonstrada repetidamente em estudos de caso como causadores de danos aos rins por oxalato. Isso é remediável (potencialmente letal se não for tratado) e pode ser um motivo para evitar ingerir suplementação de qualquer tipo de vitaminas sem a supervisão de um médico.

Vitamina C em comprimido

Essa é outra forma comum de encontrar suplementação de vitamina C.  
beneficios-da-vitamina-c-comprimidos
Fonte: Freepik.com
  Os comprimidos de vitamina C, normalmente como uma dosagem também de 1000 mg, são uma forma conveniente e altamente dosada. Esse tipo de suplementação de vitamina através de comprimidos é adequada para quem procura aumentar a ingestão de vitamina C na dieta, sendo o comprimido uma forma muito prática de ingerir. Ela é particularmente benéfica para atletas de treinamento intenso, procurando manter a função imunológica mais reforçada.

Quem deve tomar os suplementos de vitamina C ?

Embora recomende-se que o suplemento seja obtido a partir de uma dieta saudável, se as exigências do dia a dia (horários de trabalho complicados e falta de tempo para cozinhar) impedem o cumprimento da Ingestão Diária Recomendada (IDR) dessa vitamina, pode ser uma boa ideia adicionar um suplemento de ácido ascórbico à sua alimentação.

Quais as outras indicações do consumo de vitamina C através de comprimidos ?

É especialmente indicada para fumantes que consomem anticoncepcionais orais ou que estão tentando perder peso pois se beneficiarão de um suplemento de vitamina C. Além disso, indivíduos que sofrem de anemia podem usar o ácido ascórbico para favorecer a absorção de ferro, por isso, também devem procurar saber com seus médicos sobre necessidade de fazer a suplementação de qualquer tipo de vitamina.

Vitamina C para pele

Tom de pele irregular, textura áspera, linhas finas e cicatrizes de acne – você pode citar qualquer preocupação comum com a pele e há uma boa chance de que a vitamina C seja um tratamento recomendado.  
beneficios-da-vitamina-c-para-pele
Fonte: Freepik.com
  Surpreendentemente, os benefícios da pele resultantes da vitamina C não se limitam ao seu status antioxidante. Possui muitas outras propriedades curativas da pele que o tornam digno de um lugar permanente no seu armário de remédios. Lembre-se: o colágeno e a elastina são fibras proteicas de ocorrência natural que ajudam a manter a pele firme. Desta forma, como essa vitamina auxilia a promover a produção de colágeno, a vitamina C tópica (aplicação em área específica) pode ajudar a prevenir o envelhecimento prematuro da pele. Assim sendo, são comuns cremes e os produtos de aplicação para pele feitos à base de vitamina C com diferentes composições.

Quais outras particularidades da vitamina C são interessantes para pele ?

Outra coisa interessante sobre o ingrediente: ela contém uma propriedade que inibe a produção de melanina da pele, que causa a descoloração da pele, como manchas escuras e hiperpigmentação.

Como aumentar a eficácia da vitamina C para melhorar a pele ?

A vitamina C pura é mais efetiva para melhorar a pele e a eficácia dela também aumenta quando combinada com outros antioxidantes, como a vitamina E. Juntas elas podem dobrar a proteção contra os danos dos radicais livres. Portanto, fique de olho na composição dos produtos que você vai comprar para melhorar a sua pele!

Vitaminas C: dicas finais

Como vimos, as vitaminas são essenciais para o funcionamento do nosso organismo e pode melhorar muito a nossa saúde! Essas foram as nossas dicas de hoje, até a próxima!  
Fonte: Freepik.com

O que são vitaminas e sua bioquímica

O que são vitaminas ?

Você sabe o que são vitaminas? Com certeza já ouviu falar delas, que elas fazem bem para a saúde e são essenciais ao organismo, mas você sabe o que realmente é uma vitamina?  
o-que-sao-vitaminas-02
Fonte: Freepik.com
Hoje vamos falar sobre isso, e explicar em maiores detalhes o que são vitaminas, vitaminas hidrossolúveis e vitaminas bioquímicas, para você tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Acompanhe.

Definição de vitaminas

As vitaminas são um grupo de substâncias necessárias para o funcionamento, crescimento e desenvolvimento normal das células. E possuem funcionamentos semelhantes em diferentes grupos de animais.  
o-que-sao-vitaminas-03
Fonte: Freepik.com

Existem 13 vitaminas essenciais. Isso significa que essas vitaminas são necessárias para o corpo funcionar corretamente. São elas:

Cada uma das vitaminas listadas acima tem uma função importante no corpo. Uma deficiência de vitamina ocorre quando você não recebe o suficiente de uma determinada vitamina para que ela possa manter a sua função no corpo eficientemente. A deficiência de vitamina pode causar problemas de saúde. Assim como, altas doses de certas vitaminas podem ser tóxicas e causar diferentes problemas no nosso organismo. Não é bom exagerar, mas sim é necessário ingerir a dosagem necessária de cada vitamina no organismo. Em consequência, antes de fazer uma suplementação com vitamina ou qualquer coisa assim sempre consulte seu médico e faça uma avaliação médica para saber exatamente as vitaminas que precisa repor ou diminuir. As vitaminas são agrupadas em duas categorias, conheça elas agora: Vitaminas lipossolúveis:  que são armazenadas no tecido adiposo do corpo e as nove vitaminas hidrossolúveis.
  • Vitaminas lipossolúveis 
As quatro vitaminas lipossolúveis são as vitaminas A, D, E e K. Essas vitaminas são absorvidas mais facilmente pelo organismo na presença de gordura na dieta.
  • Vitaminas hidrossolúveis
Já a maioria das vitaminas hidrossolúveis não são armazenadas no corpo. Quaisquer uma dessas vitaminas em excesso deixam o corpo através da urina. Embora o corpo mantenha uma pequena reserva dessas vitaminas, elas devem ser tomadas regularmente para evitar escassez no organismo. A vitamina B12 é a única vitamina solúvel em água que pode ser armazenada no fígado por muitos anos. Vamos entender melhor as vitaminas hidrossolúveis no tópico a seguir, mas antes confira algumas dicas sobre vitaminas  e a função delas em nosso organismo.

Porque as vitaminas são tão importantes para o organismo humano?

Vitaminas e minerais são nutrientes essenciais porque desempenham centenas de papéis no corpo relacionados ao nosso metabolismo e a nossa fisiologia. Por isso, há uma linha tênue entre consumir o suficiente desses nutrientes (que é saudável) e consumir demais (o que pode acabar prejudicando você).

Qual é a melhor forma de obter  os nutrientes certos e as vitaminas para o nosso organismo?

Comer uma dieta saudável continua sendo a melhor maneira de obter quantidades suficientes de vitaminas e minerais necessários.

O que são Vitaminas Hidrossolúveis?

Vitaminas solúveis em água são embaladas nas porções aquosas dos alimentos que você come. Elas são absorvidas diretamente na corrente sanguínea à medida que os alimentos são decompostos durante a digestão ou quando um suplemento se dissolve.  
o-que-sao-vitaminas
Fonte: Freepik.com
  Como grande parte do seu corpo é constituído por água, muitas das vitaminas solúveis em água circulam facilmente em seu corpo. Seus rins regulam continuamente os níveis de vitaminas hidrossolúveis, evitando excessos do corpo na urina. As vitaminas B6, B12 e ácido fólico metabolizam aminoácidos (os blocos de construção das proteínas) e ajudam as células a se multiplicarem. Várias vitaminas B são componentes-chave de certas coenzimas (moléculas que auxiliam enzimas) que ajudam a liberar energia dos alimentos. E um dos muitos papéis desempenhados pela vitamina C é auxiliar na fabricação de colágeno, favorecimento da cicatrização, suporte das paredes dos vasos sanguíneos e formação da base para dentes e ossos. Embora as vitaminas solúveis em água tenham muitas tarefas no corpo, uma das mais importantes é ajudar a liberar a energia encontrada nos alimentos que você come. Outros ajudam a manter os tecidos saudáveis.

Quais são as vitaminas hidrossolúveis?

As vitaminas hidrossolúveis são em total de 9, como segue: Vitaminas do complexo B - Biotina (vitamina B7); vitamina B9 (Ácido fólico ou folato); Niacina (vitamina B3); Ácido pantotênico (vitamina B5); Riboflavina (vitamina B2); Tiamina (vitamina B1); Vitamina B6; Vitamina B12. e a vitamina C.

O que acontece com as vitaminas hidrossolúveis que desaparecem do organismo rapidamente?

Ao contrário da crença popular, algumas vitaminas hidrossolúveis podem permanecer no corpo por longos períodos de tempo. Você provavelmente tem vários anos de suprimento de vitamina B12 no fígado. E mesmo as reservas de ácido fólico e vitamina C podem durar mais de alguns dias. Porém, as vitaminas hidrossolúveis devem ser reabastecidas frequentemente.

Vitaminas: bioquímica

A grande maioria das vitaminas atua no organismo como enzimas. Ela tem um papel fundamental no metabolismo do corpo humano. Algumas vitaminas, como a vitamina D, funcionam como hormônios ou participam diretamente em catalises, sem ação de proteínas como a vitamina E.  
o-que-sao-vitaminas-01
Fonte: Freepik.com
  As vitaminas lipossolúveis se destacam por serem capazes de se acumularem no nosso corpo, no fígado e no tecido adiposo. Entre estas a vitamina D, encontrada em peixes e óleos, é essencial para a absorção de cálcio e fósforo. Já a vitamina A garante a saúde dos olhos e faz parte do sistema imunológico, que é responsável pela defesa do organismo contra infecções. Ela é encontrada em alimentos como fígado, espinafre, acelga e cenoura, entre outros A vitamina E tem como função principal função prevenir a contração de doenças cardiovasculares, retardar o envelhecimento, fortalecer a imunidade do nosso organismo. Essa vitamina pode ser encontrada em verduras, peixes, gema de ovo, germe de trigo e óleos vegetais. Já a vitamina B é uma vitamina do tipo hidrossolúvel que atua principalmente na proteção das artérias, no tratamento de anemia e previne também a úlcera intestinal. algumas vitaminas do complexo B têm funções específicas que ajudam a produzir neurotransmissores e células de defesa para o organismo. E a vitamina C, talvez a mais famosa de todas, atua principalmente na prevenção do desenvolvimento de tumores e de problemas cardíacos. Ela é encontrada em limões, laranjas, tomate, batatas e, folhas verdes e outros alimentos. A vitamina C também atua na fabricação de anticorpos para o organismo e como antioxidante para as células.

Por que é tão importante manter uma boa alimentação para termos todas as vitaminas que precisamos no nosso corpo?

Importante destacar que as vitaminas não são sintetizadas pelos organismos vivos ou são em quantidades inadequadas para atender as demandas das suas funções vitais. Em consequência, as vitaminas precisam ser obtidas através da dieta ou de suplemento de vitaminas.

Qual a principal causa da falta de vitaminas no organismo?

A principal causa da falta de uma quantidade adequada de vitaminas no organismo é uma dieta pobre de nutrientes, ou seja, por uma alimentação pouco variada e que pode levar ao desenvolvimento de algumas doenças graves pela falta de vitaminas essenciais ao corpo.

Vitaminas: últimas dicas

No Brasil, o consumo alimentar e alimentação saudável  ainda é um verdadeiro desafio para muitas pessoas. Para não termos deficiência de vitaminas no organismo é essencial que tenhamos uma dieta saudável e balanceada! Visite nossa loja Nature Center
Tipos de Vitaminas

Tipos de vitaminas: Suas funções e classificações

Tipos de Vitaminas

As vitaminas são definidas como um composto orgânico de baixo peso molecular e é um nutriente vital que o organismo requer em quantidades limitadas. Esses compostos orgânicos são indispensáveis para o nosso organismo, pois realizam funções celulares específicas e são peças-chave na manutenção da nossa saúde. Como as vitaminas possuem uma síntese complexa, ao longo da nossa história evolutiva fomos deixando de sintetizá-las em quantidades suficientes, e hoje as obtemos principalmente através da nossa dieta. Desta forma, através de uma dieta balanceada garantimos a reposição para que atuem no bom funcionamento do nosso corpo.    
Vitaminas em comprimidos
Fonte: Freepik.com
  Por exemplo, o ácido ascórbico (vitamina C) é uma vitamina muito importante para organismo humano, mas não para a maioria dos outros animais. A suplementação dela é importante para o tratamento de certos problemas de saúde, como é o caso do escorbuto e sintomas de gripes e resfriados. Todas as vitaminas naturais são substâncias orgânicas encontradas apenas em seres vivos, isto é, plantas e animais. O corpo não pode fabricar ou sintetizar vitaminas, salvo poucas exceções que mostraremos logo em seguida. Elas devem ser fornecidas pela dieta ou em suplementos alimentares.

Existem 13 vitaminas que seu corpo precisa:

• São as vitaminas A, C, D, E, K e B (tiamina, riboflavina, niacina, ácido pantotênico, biotina, vitamina B-6, vitamina B-12 e folato); • Normalmente, você pode obter todas as suas vitaminas dos alimentos que ingerir; • Seu corpo também pode produzir vitaminas D (pele) e vitamina K (intestino); • Pessoas que fazem dieta vegetariana podem precisar tomar um suplemento de vitamina B12;   As vitaminas são essenciais para o funcionamento normal do nosso corpo. Eles são necessários para o crescimento, vitalidade, saúde, bem-estar geral e para a prevenção e cura de muitos problemas e doenças de saúde. Entenda mais sobre a função das vitaminas a seguir.

Função das vitaminas

Uma vitamina é uma molécula orgânica (ou conjunto relacionado de moléculas) que é um micronutriente essencial que um organismo precisa em pequenas quantidades para o bom funcionamento de seu metabolismo.
Vitaminas em cápsulas
Fonte: Freepik.com
  A maioria das vitaminas não são moléculas únicas, mas grupos de moléculas relacionadas. Por exemplo, a vitamina E consiste em quatro tocoferóis e quatro tocotrienóis. Elas têm diversas funções bioquímicas. Também são essenciais para o crescimento e desenvolvimento normais de um organismo multicelular. Usando o modelo genético herdado de seus pais, um feto se desenvolve a partir dos nutrientes que absorve. Para isso, é preciso que certas vitaminas e minerais estejam presentes em determinados momentos. Quando o crescimento e o desenvolvimento são concluídos, as vitaminas permanecem como nutrientes essenciais para a manutenção saudável das células, tecidos e órgãos que compõem um organismo multicelular. Elas também permitem que organismo humano use eficientemente a energia química fornecida pelos alimentos que consome e ajude a processar as proteínas, carboidratos e gorduras necessários para a respiração celular.

Função das vitaminas dentro do organismo

Conheça agora algumas das funções das vitaminas no nosso organismo e entenda um pouco mais do porquê elas são tão essenciais para ter um corpo saudável. A função da vitamina A é a de atuar como um regulador do crescimento e diferenciação de células e tecidos. A vitamina D possui uma função semelhante ao de um hormônio, regulando o metabolismo mineral dos ossos e outros órgãos. Já as vitaminas do complexo B funcionam como cofatores enzimáticos (coenzimas) ou precursores para eles O papel das vitaminas C e E é o de funcionar como antioxidantes mitigando a ação dos radicais livres e assim, ajudam a retardar o envelhecimento precoce. A ingestão deficiente e excessiva de uma vitamina pode causar doenças clinicamente significativas. Embora a ingestão excessiva de vitaminas hidrossolúveis seja menos provável de causar algum efeito negativo, por serem facilmente eliminadas pela urina.

Quais substâncias exatamente se enquadram na definição de vitaminas ?

O termo vitamina não inclui os três outros grupos de nutrientes essenciais: minerais, ácidos graxos essenciais e aminoácidos essenciais, mas somente essa molécula orgânica ou conjunto de moléculas que citamos no início desse tópico e que se constituem especificamente como vitaminas.

Por que precisamos ter uma dieta saudável para adquirirmos as vitaminas necessárias ao nosso organismo ?

Os nutrientes essenciais conhecidos como vitaminas não podem ser sintetizados no organismo, em quantidade ou não em quantidade suficiente, e, portanto, devem ser obtidos através da dieta. Por exemplo, a vitamina C pode ser sintetizada por algumas espécies, mas não por outras; não é uma vitamina em primeira instância, mas é em segunda.

Classificação das vitaminas

As vitaminas são classificadas por sua solubilidade ou, em outras palavras, pela capacidade da vitamina de se dissolver em outra substância. Por exemplo, vitaminas lipossolúveis são vitaminas que se dissolvem na gordura. Conheça agora as classes de vitaminas.
Alimentos com vitamina
Fonte: Freepik.com

• Vitamina lipossolúvel

As vitaminas lipossolúveis são complexos moleculares originados da condensação de unidades de isopreno, um composto orgânico. Elas são solúveis em lipídios (gordura e em outros compostos), mas não são solúveis em água. Por isso, precisam de lipídios e também de suco pancreático e bile para serem absorvidas pelo nosso corpo. Elas possuem funções muito importantes no funcionamento do nosso metabolismo e nossa fisiologia. As vitaminas lipossolúveis são A, D, E e K.

• Vitamina hidrossolúvel

As vitaminas solúveis em água são classificadas como vitaminas hidrossolúveis. Como o nosso corpo é um ambiente aquoso, essas vitaminas podem se mover por ele com bastante facilidade e podem ser liberadas na urina também mais facilmente. Desta forma, o excesso desse tipo de vitamina causa menos problemas que as lipossolúveis. As vitaminas hidrossolúveis são aquelas do Complexo B e a vitamina C. Confira perguntas e dúvidas que normalmente fazem sobre as vitaminas a seguir.

Qual a origem da crença popular de que comer cenoura ajuda a ver melhor à noite ?

As cenouras são alimentos ricos em vitamina A, e essa vitamina lipossolúvel é dos constituintes dos pigmentos visuais das células fotossensíveis (cones e bastonetes). Portanto, essa vitamina ajuda na manutenção da nossa visão e é essencial para manutenção de olhos saudáveis

. Como eu posso manter as vitaminas hidrossolúveis no meu organismo ?

Como o organismo humano não armazena vitaminas hidrossolúveis, você precisa reabastecê-las diariamente através da sua dieta ou da suplementação de vitaminas.

Benefícios das vitaminas

As vitaminas trazem diversos benefícios ao organismo, para ilustrar vamos ficar alguns deles.
Vitamina na laranja
Fonte: Freepik.com
A vitamina A ou retinol é útil no tratamento de distúrbios oculares, acne, doenças de pele e infecções, bem como na aceleração no processo de cicatrização de feridas. Também é boa para prevenir a degeneração macular e a catarata. Como carotenóide, a vitamina A também ajuda a melhorar a saúde do seu cabelo. A vitamina B1 ou tiamina pode prevenir o beribéri, doenças cardíacas e indigestão, além de aumentar o metabolismo do corpo, a circulação sanguínea e o desenvolvimento do cérebro. Essa vitamina, juntamente com as vitaminas B2 e vitamina B3, é essencial para pacientes idosos que precisam de nutrição extra e para aqueles com alto risco de demência ou doença de Alzheimer. A vitamina C ou ácido ascórbico ajuda a tratar vários distúrbios oculares, além de câncer, escorbuto, resfriado comum, infecção, diabetes, estresse, colesterol alto, doenças cardíacas, pressão alta, distúrbios renais, sangramento interno, pilhas, úlceras de córnea, inflamação, e envenenamento por chumbo, além de impulsionar o sistema imunológico. A vitamina D trata o raquitismo, artrite, cárie dentária, diabetes e previne a osteoporose. E esses são apenas alguns exemplos para que você possa compreender os benefícios das vitaminas.

Quais as vitaminas mais importantes para o organismo humano ?

Não existe uma vitamina mais importante do que a outra, você precisa consumir todas as vitaminas necessárias que estamos nesse texto para ter a saúde em dia.

Por que tantas pessoas fazem suplementação de vitaminas do complexo C?

Essa é uma vitamina hidrossolúvel e, portanto, é facilmente eliminada pela urina e não é produzida pelo organismo. Por essa razão, muitas pessoas recorrem à estratégia da suplementação de vitaminas quando não conseguem obter a quantidade a necessária para o corpo.

Vitaminas: dicas finais

Lembre-se de manter a sua dieta em dia, de comer frutas e verduras, leite e outras proteínas, para conseguir a sua dose diária de vitaminas! Essas foram as nossas dicas de hoje, e você que gosta de cuidar da saúde conheça nossa loja Nature Center. Conheça também nossos artigos da categoria saúde.

Hibisco Emagrece? Descubra agora mesmo

O hibisco é uma das plantas mais populares na atualidade entre pessoas que desejam emagrecer rapidamente e de forma saudável. Fazendo parte dos regimes de emagrecimento de pessoas de todo mundo das mais diferentes formas. Mas, será que o hibisco emagrece de verdade? A planta é rica em nutrientes e cheia de propriedades que auxiliam na melhora da saúde e promoção do bem-estar. No entanto, não faltam pessoas que ainda se perguntam se o consumo dos produtos a base da planta (como chás e encapsulados) realmente ajuda na perda de peso. Pensando nisso, preparamos este artigo exclusivo para te mostrar o que é hibisco, como pode ser consumido e se ela ajuda mesmo a emagrecer.

O que é Hibisco?

O Hibisco (Hibiscus Sabdariffa L.) é uma planta considerada medicinal usada em todo mundo para diversas finalidades. A origem do hibisco é a África Central, mas hoje em dia ela é cultivada em diversos lugares do mundo. Especialmente no Sudeste Asiático, América Central e no Brasil na região nordeste. Entre os nutrientes e propriedades do hibisco estão minerais (magnésio, cálcio, fósforo e potássio), vitaminas (A, B1, B2, C). Além disso, o hibisco ainda tem flavonóides e ácidos orgânicos importantes para diversas funções do organismo. De todas as partes da planta, o hibisco possui sua maior concentração de nutrientes e propriedades medicinais no cálice do copo da flor. Mesmo assim, praticamente toda a planta é muito rica nos compostos que fazem bem à saúde. O hibisco é consumido em todo o mundo por conta de seus benefícios.  A planta é usada e indicada para uma série de finalidades. Dentre elas estão o controle do colesterol e da pressão arterial no organismo. Outras finalidades para o consumo da planta estão relacionadas a melhora da digestão, fortalecimento do sistema imunológico, da saúde do coração e bom funcionamento do cérebro. O hibisco ainda é recomendado por muitos com uma planta auxiliar na melhora de cólicas menstruais, desintoxicação do fígado e na prevenção do envelhecimento da pele. No entanto, a principal finalidade que as pessoas buscam para o consumo do hibisco é sua dita ação auxiliar no emagrecimento.

Como Tomar Hibisco?

O Hibisco está presente em diversos formatos no mercado. É possível encontrar as flores da planta, sachês de chá, pós solúveis, cápsulas, comprimidos e as próprias sementes da planta para consumo.  O consumo do hibisco pode ser feito de diferentes maneiras, graças a variedade de formatos em que ele pode ser encontrado. No caso das flores do hibisco, geralmente encontradas em saquinhos, seu consumo é feito principalmente através do chá de hibisco. A bebida, se preparada por infusão, preserva os nutrientes da planta e consegue garantir seus benefícios ao organismo.  Além disso, tem um sabor fantástico que lembra muito o cranberry. O chá ainda pode ser combinado com canela para enriquecer seu sabor. No entanto, não se deve tomar mais que 3 xícaras do chá por dia.  As sementes do hibisco podem ser consumidas como acompanhamento de outros pratos e receitas. Mas elas, em conjunto com as flores, podem ser usadas para a produção de geléias e bebidas. Já os sachês e pós solúveis são consumidos como uma alternativa para produzir o chá de hibisco. Por fim, as cápsulas e comprimidos são uma alternativa para quem não deseja inserir o hibisco na dieta alimentar, mas ainda assim garantir seus benefícios. Geralmente, o consumo do hibisco em cápsulas e comprimidos é de 1 a 2 unidades por dia. Mas é sempre fundamental seguir a indicação presente no produto ou recomendação médica. Vale pontuar que gestantes e lactantes não podem consumir o hibisco de modo algum. Pois a planta possui o chamado efeito abortivo, pois o hibisco causa alterações hormonais e pode provocar contrações uterinas. Você pode encontrar o  hibisco em todas suas versões na categoria exclusiva da Nature Center.
Compre Hibisco pelo menor preço na Nature Center

Hibisco Emagrece?

Muita gente reconhece vários dos benefícios que o hibisco é capaz de proporcionar ao organismo de uma pessoa. No entanto, ainda existem muitas pessoas que duvidam, especialmente, do principal benefício que é associado ao hibisco. Que é o seu poder de auxiliar na perda de peso saudável. Bom, está na hora de esclarecer de uma vez por todas que sim, o hibisco emagrece. Mas, ele não faz milagre, não adianta consumir o hibisco e devorar tudo que vê pela frente e ser sedentário. O hibisco é uma planta auxiliadora no emagrecimento, o que significa que a sua ação no organismo favorece os regimes de perda de peso. O hibisco ajuda a evitar a adipogênese, ou seja, a formação e produção de gordura no corpo. Esse processo consiste na maturação celular onde células pré-adipócitas se convertem em adipócitos. Quanto mais adipócitos, mais gordura no corpo. As propriedades presentes no hibisco ajudam a eliminar depósitos de gordura no corpo. O que faz com que menos gordura fique acumulada no abdômen e quadris por exemplo. Dessa forma, a perda de peso acontece com mais facilidade e de forma saudável. Outro fator que auxilia no emagrecimento é a capacidade do hibisco de reduzir a absorção de carboidratos pelo corpo. Carboidratos esses que, se não consumidos, tornam-se gordura eventualmente. Além disso, o hibisco também ajuda no controle do colesterol bom e ruim e na sua regulação. Esse efeito também auxilia indiretamente nos regimes de emagrecimento de uma pessoa. É importante pontuar que independente do formato consumido do hibisco (cápsulas, chá, sementes, comprimidos, etc) os benefícios ligados ao emagrecimento são mantidos.

Hibisco Preço

Você já sabe que o hibisco é um auxiliar poderoso no emagrecimento natural e saudável. Agora, saiba também que não há praticamente nenhuma razão para que você não tenha esse benefício.  Na nossa categoria de hibisco é possível encontrar produtos de alta qualidade por valores super acessíveis.  Por exemplo, temos o Chá de Hibisco Chá Mais 10 Sachês. Esse produto pode durar entre 5 a 10 dias de consumo por pessoa, e custa apenas R$ 4,90 a embalagem com 10 sachês. Já opções mais elaboradas, como o Chá Hibiscus com Colágeno HIdrolisado Nutrigold custa apenas R$ 32,90. Como vê, você tem diversas opções de produtos a base de hibisco e por preços que realmente cabem no seu bolso. E se considerarmos todos os benefícios que o consumo desta planta traz para nosso corpo, você verá que é um ótimo investimento na sua saúde e bem-estar.

Bula Hibisco

A composição da Bula dos produtos de hibisco na Nature Center variam de um para o outro. Por exemplo, os sachês de chá de hibisco contém apenas o próprio hibisco.  Nos produtos em pó para dissolução temos geralmente o hibisco com algum outro composto para enriquecimento nutricional da bebida.  Um exemplo é o Chá Hibiscus com Colágeno HIdrolisado Nutrigold. Ele associa o hibisco com o colágeno hidrolisado em uma forma concentrada e Nos encapsulados de hibisco geralmente temos uma composição feita por um extrato aquoso de hibisco junto à alguns óleos nutritivos, como o de Cártamo.  Também é possível encontrar na Nature Center versões em comprimidos com hibisco junto  a gengibre e picolinato de cromo. Agora que sabe tudo isso, tome uma ação pela sua saúde, bem-estar e emagrecimento agora mesmo. Confira no link abaixo a nossa categoria de hibisco e garanta hoje mesmo seus benefícios.

➥ Quero conhecer a categoria de hibisco e adotar seus benefícios a minha vida

Progressiva de chuveiro: Como fazer usando Megalizz

Já ouviu falar em progressiva de chuveiro? É a novidade que está na moda entre as blogueiras, uma fórmula sem formol que promete trazer resultados incríveis para o seu cabelo: madeixas mais hidratadas e com volume reduzido. O resultado é um efeito liso temporário que pode durar até três meses. Se você sente falta daquele frizz domado, daquele alisamento lindo feito nos salões de beleza, o Megalizz pode ser um produto excelente para esse fim. Sua proposta é tanto agir nos fios que já foram quimicamente tratados, como uma espécie de manutenção caseira, quanto nos fios que desejam ser alisados. É um produto bastante versátil nesse sentido. O Megalizz é perfeito para quem gosta de praticidade. Ele traz o seu cabelo liso com efeito natural, mais leve e com balanço. Além de prático, é um produto seguro, livre de formol e aprovado pela Anvisa e possui registro no Ministério da Saúde.

O que é o Megalizz?

Esse produto vem em um frasco de 200ml, para ser usado de forma prática durante o seu banho. O Megalizz possui a tecnologia Pro Liss 100: um blend de glyoxyloyl carbocisteine e glyoxyloyl keratin aminoacids. É uma fórmula com mais de 20 ingredientes que promovem um liso perfeito, muita hidratação e maciez. Nessa fórmula também há componentes lipídicos que ajudam na nutrição e tratamento dos fios, como o óleo de Argan e o Pantenol. Tudo isso promove o equilíbrio do pH, reparando e fechando as cutículas dos fios. Os componentes do Megalizz são os únicos com comprovação científica de que não danificam o cabelo e não são prejudiciais à saúde, pois são totalmente livres de substâncias nocivas, como o formol. O produto é dermatologicamente testado e 100% seguro. O resultado dessa progressiva de chuveiro são cabelos fortes, macios, alinhados, com volume controlado e sem frizz, sem precisar passar horas no salão.

Como aplicar?

Além de extremamente segura e eficaz, o Megalizz é vantajoso porque pode ser usado durante o banho de forma muito prática. Você não precisa passar horas no salão mais para alcançar aquele liso perfeito, basta meia hora do seu dia. Veja a seguir o passo a passo da aplicação do Megalizz:
  1. Lave bem o cabelo com um shampoo de sua preferência (shampoo antirresíduos é melhor para tirar todas as sujidades e abrir as cutículas dos fios), repetindo o processo de 2 a 3 vezes, até o seu cabelo estar completamente limpo.
  2. Tire o excesso de água do cabelo com uma toalha seca e aplique o Megalizz da raiz até as pontas, deixando agir por aproximadamente 15 minutos. O manual do produto informa o tempo necessário de acordo com o seu tipo de cabelo.
  3. Enxágue bem até tirar todo o excesso de produto que não foi absorvido pelos fios. O produto já sela as cutículas, então o uso do condicionador é dispensável.
  4. Seque bem o cabelo com um secador, usando uma escova para alinhar os fios.
  5. Se desejar, você pode finalizar com o uso da prancha, passando mecha a mecha.
A progressiva de chuveiro é termo ativada, ou seja, as substâncias de sua fórmula são ativadas com o calor do secador e da chapinha. Não pule essas etapas. Fácil, não é? O resultado é instantâneo e promete cabelos lisos, alinhados, leves, brilhosos, macios e com balanço.  

Mais sobre a progressiva de chuveiro

Geralmente o processo de alisar os cabelos no salão é trabalhoso, demorado e até prejudicial à saúde, danificando os cabelos por causa da presença do formol na composição das escovas progressivas. Felizmente, vários outros componentes que alisam os cabelos sem causar nenhum tipo de dano foram descobertos através de muitas pesquisas. A progressiva de chuveiro Megalizz encaixa nesse perfil e o resultado são cabelos lisos e saudáveis. O produto pode ser usado por qualquer pessoa, seja homem, mulher e até criança (recomendado o uso a partir dos 8 anos de idade), não há contraindicação nem efeito colateral. Grávidas podem usar o produto a partir do 3º mês da gestação. A fórmula do produto é compatível com outras químicas. Ou seja, pessoas que já fizeram uso de químicas alisantes (como tioglicolato, guanidina, hidróxidos etc.) estão liberadas para usar o Megalizz. Pessoas com coloração também podem usar tranquilamente: o Megalizz não desbota a cor do seu cabelo. O efeito do produto dura o mesmo tempo de uma escova progressiva de salão, uma duração aproximada de 3 meses. Após 3 meses, você pode repetir o processo com a progressiva de chuveiro. A eficácia do produto foi testada e aprovada nos mais diversos tipos de cabelo. Lisos, ondulados, cacheados, crespos, coloridos etc. O resultado aparecerá em até 30 minutos após a primeira aplicação. . Sempre desejou ter suas madeixas lisas, saudáveis e livres de frizz? Conheça já o Megalizz, a progressiva de chuveiro que promete resultados incríveis! Teste já e conte para nós o que você achou.
megalizz-funciona-cabelo-liso

Megalizz: o que é?

Mudam as tendências, mas tem coisas que permanecem. O sonho do cabelo liso, sem dúvida é um bom exemplo. E o Megalizz funciona como um aliado nesse processo. E sem precisar gastar horrores no salão de beleza. Embora outros tipos e texturas dos fios seja muito bonitos, a verdade é que o cabelo liso continua sendo considerado mais prático. E fácil de cuidar, desde que o alisamento não acabe com a saúde capilar. E é sobre como usar o Megalliz para conseguir essa praticidade que vamos falar hoje, confira!

O que é o Megalizz

Contando com uma fórmula que reúne mais de 20 ingredientes, o Megalizz é um shampoo alisante lançado recentemente no Brasil. Por meio de uma tecnologia avançada, o produto alisa o cabelo sem a necessidade de um profissional para sua aplicação. É uma progressiva sem formol, muito mais segura e que permite um aspecto mais natural. Por ser aplicado em casa, esse alisante significa também um maior controle do que você está passando no seu couro cabeludo. A verdade é que, infelizmente, muitos estabelecimentos continuam utilizando formol em seus procedimentos. Quando você mesmo faz a aplicação, é mais fácil ter certeza de que se trata de algo seguro, que não vai fazer mal para a sua pele ou saúde. O Megalizz garante resultados iguais e até melhores do que o de salão. O diferencial é que age como uma progressiva de chuveiro, com um preparo e uma aplicação super simples.

Como fazer a progressiva de chuveiro

Se você costuma fazer alisamento, com certeza já vai para o salão com muito tempo sobrando. Isso porque precisa aplicar o produto, passar a chapinha, lavar, fazer chapinha de novo e assim por diante. São de 3 a 4 horas super cansativas. Com a tecnologia da fórmula do Megalizz, isso não é mais necessário. Em vez de ter que pagar para um cabeleireiro te dar uma chá de cadeira, o processo é bem mais simples. Veja como funciona na prática:
  • você deve primeiro retirar resíduos anteriores, lavando bem com o seu shampoo do dia a dia;
  • com os fios úmidos, passe o Megallizz por todo o cabelo. A duração da ação vai variar de acordo com a textura dos seus fios. Os longos vão precisar de mais tempo que os curtos, mas nunca ultrapassando 40 minutos. O produto possui um manual com todos os detalhes;
  • após o enxágue, o cabelo já estará nitidamente mais macio. É importante retirar todo o produto nessa fase;
  • use o secador e então passe a chapinha em mechas mais fininhas. O calor vai ativar os componentes do alisamento. Mas não se preocupe, depois de essa etapa, não precisa lavar de novo, está pronto!
Como dá pra perceber é super simples. Dá pra fazer num dia de semana mesmo, sem precisar agendar um horário. E sem correr o risco de usar um produto que você não conhece.  E é claro, em se tratando de Megalizz, valor também é algo que vale muito a pena.

Porque o Megalizz funciona

Dentre os 20 componentes do Megalizz, o destaque fica por conta do glyoxyloyl carbocysteine e glyoxyloyl keratin amino acids. Chamada de Pro Liss 100, a tecnologia que une esses ingredientes foi desenvolvida para reduzir o pH do cabelo. Na prática, isso significa que as cutículas dos fios fecham mais fechadas. E as fibras capilares mais alinhadas. Essa ação é ativada pelo calor, dominando assim o frizz e o volume. O que você achou desse produto? Já conhece? Está interessada em testar? Deixe um comentário falando sobre sua experiência com alisamentos!
Cloreto de Magnésio: Você conhece seus efeitos colaterais

Cloreto de magnésio: efeitos colaterais

O cloreto de magnésio é um sal inorgânico que pode ser encontrado em grande quantidade dissolvido na água do mar. Ele costuma ser muito utilizado na forma de suplemento alimentar, sendo uma combinação do magnésio e do cloro e serve para repor a falta desse último ingrediente no organismo. Ele pode ser ingerido na forma de suplemento ou como um nutriente encontrado nos alimentos, sendo bastante presente em vegetais verdes e nozes. Vale ressaltar que o organismo precisa de cerca de 200mg de magnésio por dia, e o cloreto de magnésio apesar de ser composto apenas por 12% dessa substância é a melhor maneira de consumi-lo e garantir a sua absorção. A concentração dele no organismo humano é de aproximadamente 25 gramas sendo que essa quantidade se distribuiu principalmente nos ossos, seguido pelos músculos e glóbulos vermelhos. Um estudo da agência de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos, Food Drug Administration considerou que a sua utilização na forma de suplementos é segura, entretanto, pode haver cloreto de magnésio efeitos colaterais em alguns casos isolados. Outro fator que afasta um pouco as pessoas do consumo do suplemento é o sabor amargo que ele pode ter. Quando se tem falta de magnésio no organismo é preciso buscar maneiras de fazer essa reposição a fim de evitar danos e problemas de saúde, pois, ele se envolve em mais de 300 funções enzimáticas.

Para que serve o cloreto de magnésio?

O magnésio é essencial para o organismo, pois, permite que sejam realizadas diferentes funções vitais. Pode-se dizer de maneira resumida que ele ajuda a cuidar da saúde e garante uma melhor qualidade de vida, afastando problemas que podem ser de ordem biológica ou nutricional. O uso do cloreto de magnésio ajuda a garantir uma boa saúde e traz benefícios como:
  • Ampliar as funções cerebrais facilitando o aprendizado e memória
  • Fortalecer os ossos ajudando a metabolizar sustâncias que combatem a osteoporose
  • Combater as infecções com seu efeito imunoestimulante e que estimula as atividades dos leucócitos
  • Contribuir com os atletas uma vez que evita a contração muscular e melhora a musculatura
  • Tratar e prevenir dores de cabeça e enxaqueca
  • Prevenir a perda de audição, principalmente a decorrente de ruído
  • Diminuir o efeito do estresse, ansiedade e depressão
  • Contribuir com o equilíbrio do Ph do organismo
  • Reduzir a pressão arterial e consequentemente diminuir os riscos de problemas vasculares, derrames e hipertensão
  • Contribuir com o funcionamento das funções hepáticas
  • Ajudar no tratamento da diabetes, pois, contribui com a metabolização do açúcar
  • Diminuir a cólica menstrual e a TPM
  • Reduzir as crises de asma, pois, dilata as paredes dos brônquios
  • Contribuir com o emagrecimento se houver deficiência desse mineral no organismo, por ele ser ajudar na quebra de gordura. Entretanto, esse não é um método de emagrecimento e deve ser realizada atividade física e reeducação alimentar para perda de peso.
  • Melhorar a digestão ao equilibrar os ácidos estomacais

Cloreto de magnésio efeitos colaterais existem?

É preciso alertar que o cloreto de magnésio efeitos colaterais existem, entretanto, as ocorrências costumam ser raras e normalmente são resultado do uso incorreto da substância com ela sendo ingerida em excesso. Uma maneira de minimizar as reações adversas é de não mastigar as cápsulas ou esmagar os comprimidos, pois, isso pode fazer com que todo o suplemento seja absorvido de uma única vez pelo organismo. Mesmo quando a utilização ocorre com a ingestão lenta, deve-se ingerir uma grande quantidade de água filtrada junto para amenizar qualquer efeito. Quando ocorrem as reações adversas, são observados alguns desses sintomas:
  • Dores estomacais: costuma ser mais frequente quando a pessoa já apresenta algum disturbo estomacal;
  • Diarreia: pode ser agravada ou iniciada devido ao efeito laxante que essa substância possui quando consumida via oral;
  • Perda de apetite: por alterar o funcionamento do organismo quando consumido de forma indevida, pode ocasionar a perda de apetite passageira;
  • Colite ulcerosa: ocorre na mucosa interna do intestino grosso e do reto e causa a inflamação do local, o uso pode agravar a situação;
  • Desidratação: a superdose dificulta a absorção de água pelas células;
  • Toxidade: quando ingerido em altas doses ou por pessoas que possuem sensibilidade a ele;
  • Queda de pressão: pode desregular o funcionamento do organismo em doses excessivas e afetar a pressão arterial;
  • Fraqueza muscular: o sintoma pode ser confundido como a falta de magnésio, porém, a dosagem em excesso pode causar o mesmo problema;
  • Redução do efeito de antibióticos: se consumido junto ele pode inibir a ação do medicamento e fazer com que o seu efeito seja nulo;
  • Urticária: a reação alérgica pode ocorrer como um efeito colateral pôr a pessoa ser alérgica;
  • Tontura: esse é outro efeito colateral que costuma ser oriundo de super dosagem e não de intolerância a substância;
  • Inchaço: também resultado de uma reação alérgica, se não receber a devida atenção pode levar a dificuldade de respiração;

Em que situações o cloreto de magnésio deve ser evitado?

Conforme já explicamos o cloreto de magnésio efeitos colaterais podem ocorrer quando há uma superdosagem, por isso ele não deve ser consumido sem que haja orientação de um especialista ou que a pessoa se informe da maneira correta de consumo. Em produtos comercializados embalados, as orientações de uso são disponibilizadas em uma bula ou em um guia. Outro ponto de atenção é em relação à diarreia, pois, esse mineral possui propriedades laxativas o que viria a iniciar o problema. Quem possui problema de saúde como nos rins e miastenia grave o consumo também é contraindicado uma vez que a condição do paciente pode ser agravada. É importante saber que os efeitos colaterais e a contraindicação são situações diferentes. O primeiro se refere a reações adversas decorrentes do uso do produto, pode ser que o organismo não reaja bem e demonstre isso com os efeitos colaterais que são percebidos de maneira física. A contraindicação analisa a situação do paciente e diz se ele possui alguma restrição ao uso, normalmente alguma doença pré-existente que possa se agravar ou uso de algum medicamento que tenha interação e o seu efeito anulado. Em ambos os casos, é preciso buscar ajuda médica.

Quem são as pessoas indicadas a usar o cloreto de magnésio e que possuem menores chances de ter efeitos colaterais?

Para algumas pessoas, existe a indicação do uso do cloreto de magnésio, nesses casos as chances de ocorrem os efeitos colaterais são menores uma vez que não se faz uso indiscriminado. Fazem parte desse grupo:
  • Diabéticos: esses pacientes acabam eliminando o magnésio junto com a glicose e podem ter falta dele;
  • Alcoólatras: eles eliminam a substância em grande quantidade e o álcool impede a absorção dela pelas células;
  • Idosos: pessoas mais velhas produzem menos ácido clorídrico e têm dificuldade em absorver o magnésio
  • Pessoas com alimentação ruim: como não conseguem adquirir os minerais necessários por meio da alimentação precisam recorrer a suplementação
  • Mulheres que fazem reposição hormonal ou usam anticoncepcional: não serão todas as mulheres nessa situação que precisarão da suplementação, porém, com as alterações hormonais a absorção do magnésio pode se tornar mais difícil
  • Utilização de suplemento de cálcio: o uso desse tipo de suplemento pode inibir a absorção do magnésio sendo preciso intensificar o consumo

Como fazer o uso do cloreto de magnésio e evitar os efeitos colaterais?

A recomendação de uso é que o pó seja diluído em água filtrada e consumido cerca de 50 ml por dia da mistura, sendo que ela deve ser ingerida ao longo do período com pequenas doses. O pó pode ter um sabor não muito agradável ao paladar e existem outras opções para consumir esse suplemento. As cápsulas são bastante procuradas, pois, já estão com a dose certa para consumo, são levadas facilmente para qualquer lugar e não permitem que o sabor amargo seja percebido pelo paladar. Existe ainda outra opção para quem busca esse produto industrializado. Ele é encontrado na forma líquida e deve ser consumido em gotas e ingerido com uma grande quantidade de água. Ao fazer isso é possível evitar cloreto de magnésio efeitos colaterais, pois, não haverá uma superdosagem que venha comprometer a saúde. Outra maneira de conseguir obter esse mineral para o organismo é mantendo uma alimentação equilibrada ao inserir no cardápio alimentos ricos nele como o farelo de trigo, nozes, agrião, beterraba, carnes e laticínios. A questão é que a falta de magnésio no organismo tem se tornado cada vez mais frequente em decorrência da alimentação inadequada, uso de produtos químicos nos alimentos que interferem na absorção desse mineral e aumento do consumo de produtos industrializados que não possuem uma dose adequada as necessidades. Por conta disso é que a suplementação tem se tornado mais frequente, uma vez que com a rotina as pessoas não estavam conseguindo se manter saudáveis com os níveis ingeridos. Há também o fato dele ser facilmente encontrado em farmácias e sites na forma de suplemento. Um ponto de atenção na hora de compra é observar se ele possui a descrição “PA (Puro para Análise)”, o que indica que ele é mais concentrado e melhor absorvido pelo organismo. Aliado a isso há o uso simples, a rápida absorção pelo organismo e os valores acessíveis. Portanto, é possível utilizar o cloreto de magnésio comprado pronto para uso, fazendo a ingestão diária conforme a orientação do fabricante e, seguindo as regras não se corre o risco dos efeitos colaterais. Sabendo do cloreto de magnésio efeitos colaterais e benefícios que oferece, sabe que é um mineral seguro para consumo e que pode fazer parte da sua dieta. Que tal adquirir um suplemento e começar a aproveitar os ganhos que ele proporciona?
Kifina: mentira ou verdade? Saiba tudo aqui

Kifina: mentira ou verdade? Saiba tudo aqui

Pensar em medicamentos e suplementos para a perda de pessoa pode gerar receio em muitas pessoas e há motivos para isso. Quem está há bastante tempo buscando fazer as pazes com a balança, possivelmente já tentou diversos suplementos e medicamentos que não trouxeram os benefícios esperados e resultaram em perda de tempo, dinheiro e algumas vezes em danos à saúde. Essa situação é totalmente compreensiva, mas, quem sofre com o excesso de peso, sabe que emagrecer apenas fazendo dietas e exercícios nem sempre funciona tão bem. Por conta disso, usar um produto como o suplemento pode trazer resultados mais rápidos. Um ponto de atenção é apenas de usar o suplemento certo, ele precisa ser um emagrecedor. Optar pelo produto errado como ocorre na maioria das vezes proporciona os resultados inversos ao que se espera, como o ganho de peso corporal. A Kifina veio exatamente para atender a esse público que está brigando com o corpo há algum tempo e não sabe mais o que fazer para conquistar as medidas que deseja. O problema é que com tantos suplementos que não trazem resultado, surge um pouco de descrença em relação a ele por quem não conhece e também alguns mitos. Para esclarecer essas questões, saiba a partir de agora tudo o que precisa sobre Kifina.

Kifina é um medicamento para emagrecer

Mentira – Kifina é considerado um suplemento alimentar emagrecedor, isso quer dizer que irá apenas fornecer nutrientes e vitaminas que o organismo precisa para realizar as suas funções e fazer com que algumas ações fiquem potencializadas. Diferente dos medicamentos ele não interfere no funcionamento biológico e nem fornece substâncias que podem causar efeitos colaterais indesejáveis. Outro indicador de que não se trata de um remédio é que ele não é adquirido somente na farmácia mediante receita médica. Ele é encontrado em lojas de produtos naturais, suplementos alimentares e sites especializados em suplementação e similares. Apesar de não ser um medicamento é autorizado pela Anvisa, indicador que pode ser consumido e comercializado e que segue regras de fabricação.

Kifina apenas emagrece, não possui benefícios adicionais

Mentira – Kifina é vendida como um suplemento emagrecedor e esse é uma das principais bandeiras defendidas porém, a sua ação não se resume apenas a perda de peso. A combinação de seus ingredientes conseguem trazer muitos outros benefícios para a saúde e beleza. Ele é capaz de fazer perder peso e também ajuda na eliminação de gordura, principalmente das áreas mais difíceis como barriga, papada e braços. Ele funciona como um “imã” que captura a gordura e garante que seja eliminada antes de ser absorvida. A redução do apetite também pode ser percebida, pois, um de seus componentes consegue inibir a fome. Isso faz com que se consiga ter uma alimentação mais saudável e, principalmente, se abandone o hábito de comer fora de hora alimentos considerados ruins. O inchaço que pode incomodar tanto e fazer parecer que está mais acima do peso, reduz com o uso de Kifina. Ele funciona ajudando a eliminar a retenção de líquido que causa essa sensação. A celulite que tanto incomoda as mulheres também tem uma melhora na sua aparência, com o uso, os famosos buraquinhos começam a diminuir até que fiquem imperceptíveis. E pele de todo corpo tem uma melhora, os poros ficam mais fechados, o brilho se intensifica, há aumento da hidratação e maciez. Com a perda de peso o organismo começa a funcionar melhor e a disposição aumenta, assim, haverá energia durante todo o dia para realizar as atividades.

Os efeitos desse suplemento demoraram para aparecer

Mentira – fazendo uso conforme a indicação do fabricante é possível perceber os efeitos com apenas 1 mês de uso. Nesse tempo é possível perder cerca de 5 quilos e usufruir dos demais ganhos como aumento da disposição e redução do inchaço. Esse tempo que foi citado é utilizado como base para comprovar a perda real de peso, entretanto, com apenas alguns dias de uso seguido os benefícios secundários podem ser notados, entre eles o aumento da disposição e redução do inchaço. Em pouco tempo é possível aproveitar as vantagens, mas, quem deseja ter uma perda maior de peso deve continuar o tratamento até que se atinja o objetivo esperado. O fabricante não recomenda a interrupção antes de 4 meses, pois, esse é o período para que o metabolismo possa se reorganizar e trabalhe corretamente. Quem deseja potencializar os resultados, pode investir em uma dieta equilibrada e na prática regular de exercícios junto com o consumo do suplemento. Ao fazer isso será possível se surpreender de como o corpo está se transformando rapidamente.
Promoção de Kifina é so na Nature Center
Menor Preço de Kifina do Mercado!

Kifina não funciona para qualquer pessoa

Mentira – Os benefícios de Kifina podem ser usufruídos por qualquer pessoa, independentemente da idade, sexo ou faixa etária. Esse é um suplemento que não possui restrição, apenas requer atenção em casos de doenças ou condições especiais de saúde. Dessa forma, uma mulher idosa ou um homem jovem podem fazer uso e ver que Kifina funciona. A diferença pode estar nos resultados, isso porque cada metabolismo responde de uma forma, alguns são mais rápidos e outros mais lentos na resposta. A rapidez de cada organismo pode interferir no tempo que será necessário para atingir os resultados esperados, podendo variar de semanas a meses de uma pessoa para outra.

É fácil usar Kifina

Verdade – Se está buscando como usar saiba que o método é bastante simples, o que permite que qualquer pessoa consuma estando em qualquer lugar. Por ser comercializado na forma de cápsulas pode ser transportado para qualquer lugar, assim, se precisar sair de casa ou viajar não precisará interromper o uso pela dificuldade de transporte. O consumo é feito por via oral e basta ingerir duas cápsulas apenas uma vez por dia antes de uma das principais refeições. As cápsulas são fáceis de ingerir, mas, é recomendado que seja ingerido junto com um pouco de água ou qualquer outro líquido para não haver o risco de engasgar. A reposição do suplemento também não necessita de uma frequência tão grande, isso porque cada pote possui 60 cápsulas, o suficiente para realizar o tratamento por um mês.

Após interromper o uso de Kifina a pessoa volta a ganhar peso

Mentira – quem utiliza Kifina uma vez e interrompe o uso porque já alcançou os resultados esperados ou por qualquer outro motivo, não vai retroceder em todos os avanços que já conseguiu. Independentemente do tempo de uso, esse suplemento faz com que o funcionamento do organismo volte a ficar equilibrado, isso significa que se está arrumando uma coisa que estava quebrada e após isso ela durará por muito tempo. O ganho de peso só volta a ocorrer se a pessoa começar a negligenciar a sua dieta e sabotar a prática de exercícios. Consumir muito mais calorias do que o corpo consegue queimar por dia leva ao ganho de peso, mas isso não possui nenhuma relação com a interrupção do uso de Kifina. A ação é bem diferente do que acontece com alguns medicamentos que aceleram o metabolismo e após a interrupção fazem com que haja uma desaceleração e o ritmo volta a ser menos intenso do que antes de começar a tomar o remédio. Por essa questão, a dúvida sobre o ganho de peso é tão comum.

Kifina pode provocar efeitos colaterais ou acarretar problemas de saúde

Mito – Kifina provoca uma série de benefícios, funciona bem e pode se afirmar isso porque não provoca efeitos colaterais. Isso acontece porque a fórmula leva apenas ingredientes naturais como a Spirulina, Psyllium, Picolinato de Cromo e quitosana. Todos esses ingredientes são testados e não sofrem adição química, o que reduz significativamente as chances de ocorrer efeitos colaterais. São não ficam isentas de pessoas que possuem reações alérgicas aos crustáceos, já que eles estão presentes no suplemento. Em relação a acarretar problemas de saúde, não precisa haver preocupação. Como já explicamos ele não é um medicamento que altera o funcionamento do organismo, apenas intensifica algumas reações que não causam danos ao corpo.

Pessoas já testaram e aprovaram Kifina

Verdade- Esse suplemento emagrecedor é comercializado há algum tempo e seus benefícios já foram comprovados por milhares de pessoas. Antes da comercialização do produto foram realizados testes para comprovar a sua eficiência. Depois de chegar ao mercado, principalmente as mulheres que costumam sofrer mais com o excesso de peso, usaram Kifina e conseguiram aproveitar todos os ganhos que oferece. É possível encontrar depoimentos que dizem quais foram as conquistas e resultados conseguidos com tempos diferentes de utilização.

Kifina é muito caro

Mentira – O valor cobrado pelo suplemento pode ser considerado baixo se comparado com muitos medicamentos e suplementos que estão no mercado. O custo-benefício é um dos pontos que costuma contradizer o mito do preço alto, isso porque se paga um valor justo e se consegue muitas vantagens com a ingestão de poucas cápsulas. Há também o fator de que não causa danos à saúde, isso faz com que não haja necessidade de recorrer a médicos com urgência e pagar um alto custo para conseguir atendimento. Para quem deseja poupar dinheiro, pode conseguir isso comprando uma maior quantidade, não é raro encontrar promoções que ofereçam descontos quando se leva 2 potes ou mais na mesma compra. Sabendo distinguir o que é mito ou verdade e dos benefícios de usar Kifina, não acha que está na hora de trazer esse suplemento para a sua vida?
chlorella emagrece

Chlorella: Emagrece?

Você já deve conhecer a spirulina, a substância que é a nova queridinha da perda de peso. Mas e a chlorella funciona como? É a mesma coisa? Na verdade, embora sejam muito confundidas, chlorella e spirulina não são a mesma substância. Embora tenham benefícios parecidos, não têm a mesma origem. Além disso, a chlorella —  clorela, clorella ou clorrela, como também é conhecida — possui um valor nutritivo ainda mais alto. Entenda melhor o que é a essa substância ainda mais poderosa do que a spirulina!

O que é chlorella?

Imagine uma lista superalimentos mais completos já descobertos pela ciência. Se a chlorella não estiver em primeiro lugar, como certeza estará no top 3. E não é à toa. Se trata de uma alga unicelular cujo nome significa “pequeno verde”, em grego. Mais encontrada no Japão, em Taiwan e nos EUA, é rica em diferentes tipos de nutrientes. Com 45% de proteínas, 20% de gordura, 20% de carboidrato e 5% de fibras, é muito utilizada na produção de remédios e suplementos. Dentre suas propriedades, destaca-se o fato de:
  • ser uma fonte rica em vitaminas e minerais;
  • contar com uma alta densidade nutritiva;
  • fornecer uma quantidade muito eficiente de proteína.
Essas propriedades tornaram a chlorella uma grande aliada dos vegetarianos, suprindo inúmeros necessidades nutricionais de quem não come carne. Entretanto, há outro benefício que chama mais atenção. A chlorella ajuda na perda de peso.
Promoção de Chlorella só na Nature Center
Promoção de Chlorella a partir de R$29,90

Como a chlorella funciona no emagrecimento?

Um dos principais causadores do aumento de peso está no excesso de toxinas no organismo, deixando o metabolismo lento. O que a chlorella promove é uma desintoxicação natural e completa. Por meio de seu consumo ou suplementação, a substância elimina tudo que não faz bem para o corpo. Outro ponto importante é que a chlorella aumenta o desempenho em atividades aeróbicas. Para quem faz exercícios, essa atuação permite um gasto maior de calorias, além da queima de gordura. A atuação da chlorella está relacionada também a sensibilidade à insulina. O que acontece é que o corpo passa por picos de glicemia quando você come algo muito calórico. E você logo sente fome novamente. O que a alga promove é uma menor absorção da glicose, evitando os exageros nas refeições. Esses três benefícios juntos são muito poderosos em se tratando de perda de peso. Isso, é claro, se for acompanhado de uma dieta equilibrada.

Quem pode tomar chlorella?

Como se trata de uma substância de origem natural, a alga pode ser consumida pela maioria das pessoas. A principal restrição é relacionada a possíveis alergias. Embora sejam raras, as reações alérgicas podem acontecer e exigem cautela. É importante que, em se tratando de chlorella, bula e indicações precisam ser levadas a sério. A chlorella é uma das substâncias naturais que mais têm surpreendido a comunidade científica. Com diferentes tipos de nutrientes, a alga traz benefícios tanto para a saúde quanto para o emagrecimento. Você já tinha ouvido falar na chlorella? Quer saber mais sobre o poder das substâncias naturais? Acompanhe nossas redes sociais e não perca nossos artigos!

Inscreva-se para receber novidades e ofertas exclusivas

SAC / Televendas: (31) 3063-8989
E-Mail: sac@naturecenter.com.br
Rua Juruá, Bairro da Graça, Belo Horizonte/MG - CEP 31140-020
© 2010 – 2020 – Nature Center - Todos Os Direitos Reservados

Ao finalizar seu pedido, você concorda com as nossas condições de uso. Verifique a nossa Política de Privacidade, Cookies e Anúncios Baseados em Interesse.