Tag: chá de hibisco

Qual o poder dos chás emagrecedores?

Em busca de corpos mais bem definidos, para aumentar massa magra ou emagrecer, muitas pessoas passam por dietas malucas, muitas vezes restritivas e que prometem diminuir o peso em questão de semanas sem que você tenha que fazer muito esforço, certo? De fato esses métodos existem, mas, na verdade, essa não é a forma mais saudável para buscar o peso ideal. Afinal, podem causar prejuízos sérios ao organismo ou ainda provocar o efeito contrário: engordar novamente. Justamente para evitar esse tipo de situação, é importante que você que deseja emagrecer busque sempre uma ajuda profissional para passar por uma dieta acompanhada e seguir firme em uma rotina de exercícios, que te ajudarão a queimar gordura mais rápido. Aliás, para eliminar ainda mais peso, você pode contar com chás emagrecedores, feitos de ervas naturais que aceleram seu metabolismo e retardam o acúmulo de gordura no organismo.

Quais as propriedades do chá para emagrecer?

Normalmente, os chás de hibisco, verde e outros tantos auxiliam no emagrecimento por terem componentes que oferecem benefícios à saúde e propriedades nutritivas e antioxidantes que auxiliam na prevenção de doenças, atuam como calmantes e inibem o acúmulo de gordura em diversas regiões do corpo. Justamente por serem tão benéficos ao organismo, vêm ganhando cada vez mais espaço e se destacando no mercado fitness por ajudar pessoas a diminuírem medidas de maneira saudável. Quer conhecer melhor esses chás emagrecedores? Confira alguns:

Chá verde

Conhecido como um dos principais chás emagrecedores, o verde possui uma forte ação termogênica, pois possui cafeína em sua composição, responsável por auxiliar na queima intensa de calorias, inclusive a de gorduras, e ter um alto poder estimulante. Outra importante propriedade da bebida são os polifenóis, substâncias que inibem a ação de uma enzima que retarda a termogênese. Desta forma, o chá auxilia na eliminação de gorduras localizadas. Além do fato de ajudar a emagrecer, o chá verde auxilia na diminuição da fome, por proporcionar mais saciedade.Para que o chá emagrecedor funcione adequadamente, é importante não deixar a água ferver na hora da infusão. Por isso, depois de um tempo no fogo e de já ter levantado as primeiras bolhas, acrescente duas colheres de sopa das folhas da erva na água, desligue o fogo e deixe agir de cinco a dez minutos, abafando. Se quiser diminuir o efeito da cafeína, jogue fora a primeira água e repita o processo com as folhas. Suas propriedades permanecem por apenas 24 horas, então o adequado é um consumo rápido.

Chá mate

Outro chá utilizado para emagrecer é o mate, uma erva muito comum no Brasil e facilmente comprada nos supermercados e lojas de produtos naturais. Por ter um excelente poder termogênico, o chá acelera o metabolismo e aumenta a queima de calorias mesmo com o corpo em repouso, por isso, pode contribuir para a diminuição de medidas. Isso porque, por meio da cafeína presente em sua composição, a bebida estimula a lipólise, a queima das células de gordura que ficam estocadas em nosso corpo. Além disso, o mate ainda possui uma ação diurética e antioxidante, e ainda melhora na digestão.Para consumir o chá mate, utilize 20 gramas da folha ou, aproximadamente, 15 saquinhos para um litro de água. Se preferir, para não carregar uma garrafa grande para lá e pra cá, divida a bebida em porções de 330ml e as tome antes das primeiras refeições. Isso porque, as propriedades da erva diminuem a absorção de colesterol no intestino delgado.

Chá preto

Não só o chá preto, como também o verde e o branco são ricos em nutrientes e te ajudam a emagrecer por meio da ação termogênica, que elimina a gordura do corpo. Justamente por isso, são conhecidos como chás que emagrecem e aceleram o metabolismo. Ricos em cafeína e polifenóis, as bebidas reduzem o apetite e diminuem as gorduras armazenadas no corpo.Para o consumo adequado, evite tomar o chá durante as refeições. Para emagrecer realmente, siga as orientações de consumir ao longo do dia no intervalo das principais refeições. Além disso, não é recomendado tomar à noite, pois a ação da cafeína pode provocar insônia em algumas pessoas.

Chá de hibisco

Considerado um dos mais famosos e cheirosos, o chá de hibisco é visto como uma boa forma de emagrecer saudável. Preparado com o cálice seco da flor, essa bebida além de evitar o acúmulo de gordura, como os demais, também auxilia na redução da adipogênese, segundo estudos de universidades dos Estados Unidos. Ou seja, sua ação auxilia a evitar que as células do corpo absorvam e acumulem gordura no corpo. Além disso, esse é uma poderosa bebida para ser consumida por quem quer diminuir o acúmulo de gordura nos quadris e abdômen, devido seus antioxidantes.Desinchá oferta especial

Não exagere no chá

Por mais que os chás te ajudem a emagrecer, é importante lembrar que a recomendação médica é, para uma pessoa saudável, ingerir, no máximo, 800ml da bebida por dia. E o momento mais adequado para ingerir a bebida é cerca de 30 minutos antes ou depois das refeições. Lembrando que, se o objetivo é emagrecer mesmo, é melhor deixar o açúcar, mel e adoçantes de lado, pois, esses ingredientes causam picos de insulina e favorecem o acúmulo de gordura.Viu só como emagrecer com ajuda de chás pode ser simples? Então continue acompanhando o blog da Nature Center e fique por dentro de mais dicas para manter a boa forma e conquistar mais qualidade de vida.

Projeto inverno: emagreça na estação mais fria do ano

Época é propícia para perder peso gradativamente e chegar ao verão em formaAlguns amam, outros odeiam – o friozinho característico do Outono/Inverno pode deixar o visual mais elegante e o clima mais aconchegante, porém essa época do ano também é um desafio para a maioria das pessoas: se por um lado é mais difícil sair da cama, por outro é mais fácil sair da dieta. Com a queda da temperatura, aumenta o desejo por comidas quentes e muitas vezes gordurosas, facilitando o ganho de peso. Ao final da estação, as academias lotam de pessoas dando início ao famoso “projeto verão”, com o intuito de eliminar rapidamente os quilos adquiridos ao longo de meses. Porém, ao contrário do que muitos pensam, a época mais fria do ano é justamente a mais propícia para a perda de peso – nosso corpo aumenta a queima calórica para nos manter aquecidos. Logo, tomando pequenos cuidados com a alimentação e com o corpo, é possível conseguir o emagrecimento de maneira mais lenta e segura, sem grandes sacrifícios. Além de evitar a correria atrás do prejuízo ao final da estação, bons hábitos alimentares nessa época também dispensam a adoção de dietas radicais, permitindo aproveitar moderadamente as delícias do inverno sem prejudicar a boa forma.

Como o corpo reage ao frio

Para nós seres humanos, manter a temperatura interna em torno de 37ºC graus é essencial para o pleno funcionamento biológico, por isso, durante épocas de frio o corpo faz um esforço maior para evitar a hipotermia. Nosso organismo dispõe de diversos mecanismos para produção e preservação do calor: a tremedeira, o arrepio e até mesmo as idas mais frequentes ao banheiro são sinais de que o corpo está reagindo à exposição ao frio.Diante da queda brusca da temperatura do ambiente, os músculos da pele se contraem, eriçando os pelos afim de formar uma camada de ar que preserve o calor junto à pele, essa é a razão por trás do característico arrepio que sentimos ao nos depararmos com um vento gelado, por exemplo. Da mesma forma, a tremedeira nos braços, pernas e até mesmo no queixo é resultado da tentativa do corpo de produzir calor através do movimento. Essa ação involuntária é capaz de contrair os vasos sanguíneos e aumentar ligeiramente a temperatura corporal. Como suamos menos, o corpo também aumenta a produção de urina, afim de eliminar as toxinas que seriam expelidas através da transpiração.Os músculos também estão intimamente ligados à resposta ao frio. Curiosamente, a diferença do índice de massa magra entre homens em mulheres justifica o porquê delas serem mais sensíveis à quedas de temperatura: a concentração de músculos no corpo feminino pode ser até 20% menor. Por auxiliarem na produção de calor, esses tecidos são os maiores responsáveis pelo aumento do gasto calórico durante o inverno: o esforço superior para movimentar-se e aquecer o corpo faz com que o organismo aumente consumo de energia em cerca de 10%.

Gasto calórico e ganho de peso durante o inverno

Se por um lado o gasto calórico é maior, por outro, o corpo buscará suprir essa necessidade energética. Um dos principais meios é justamente através da oferta de alimentos, influenciando no aumento do apetite típico do inverno. O desejo maior por alimentos considerados vilões da dieta é uma forma do organismo conseguir energia rápida, através de doces e comidas gordurosas. Além disso, o tecido adiposo, especialmente subcutâneo, beneficia a preservação da temperatura corporal, reduzindo as chances de hipotermia. Porém, de acordo com a nutricionista Sinara Menezes da Nature Center, o ganho de peso está mais ligado à questão psicológica do que fisiológica: “O aumento da ingestão calórica necessária para suprir esse esforço extra do organismo é relativamente baixo: cerca de 150 calorias a mais na dieta normal de um adulto saudável. O grande problema é que o efeito reconfortante dos alimentos e o relaxamento da dieta nessa época do ano faz com que as pessoas comam muito além do que estão habituadas. Se considerarmos as festas típicas desse período e a tendência de nos exercitarmos menos, é natural que ao fim da estação esses hábitos reflitam na balança.”Porém, utilizando esse mecanismo a nosso favor, a perda de peso pode ser favorecida pelas baixas temperaturas. Considerando-se o gasto e necessidade calórica maior, é possível reduzir o peso gradativamente através de alimentos aliados à dieta: caldos, sopas e chás emagrecedores podem turbinar esse processo e, ao mesmo tempo, manter o corpo aquecido. A boa notícia é que isso não implica obrigatoriamente em fazer dieta, mas sim, manter uma alimentação saudável e aproveitar a termogênese para acelerar o metabolismo.

Cuidados alimentares durante o inverno

A palavra de ordem para manter uma alimentação saudável e saborosa durante o inverno é a mesma para qualquer época do ano: o equilíbrio. Manter uma alimentação balanceada e o mais natural possível é a chave para manter o corpo aquecido, nutrido e também controlar a ingestão calórica. Como o corpo precisa de mais energia, os carboidratos são fundamentais, porém, deve-se dar preferência pelo tipo complexo do alimento “É possível fazer substituições saudáveis como a troca da batata inglesa pela batata doce por exemplo. Optar por carboidratos complexos ajuda no controle da absorção de glicose no organismo pois esse tipo de alimento libera açúcar de forma mais lenta, prolongando a oferta de energia e reduzindo a fome abrupta.” – explica a nutricionista. Da mesma forma, optar por pães e massas integrais é uma forma de ingerir carboidratos de uma forma mais saudável. Além disso, muitos desses alimentos contém fibras, que auxiliam na regulação do intestino e proporcionam digestão mais lenta, favorecendo a sensação de saciedade.A grande aposta para essa época do ano é incluir sopas e caldos no cardápio, porém, deve-se ter cautela com os ingredientes e acompanhamentos escolhidos “O principal conselho é evitar o abuso de alimentos com amido na preparação dessas refeições: se for preparar uma sopa de carne com macarrão, por exemplo, evite o uso da batata. Controlar os acompanhamentos também é importante: o pãozinho, o azeite e o queijo ralado podem transformar uma refeição leve em uma bomba calórica. O ideal é utilizar legumes e verduras menos calóricos e mais fibrosos. Uma ótima dica é combinar vegetais funcionais como o aipo, o couve e o pepino nessas preparações, esses alimentos possuem efeito detox e potencializam o emagrecimento.”O desejo por alimentos doces também está ligado à queda da produção de serotonina durante o inverno, este hormônio é responsável pela sensação de bem estar, e alimentos açucarados estimulam sua secreção. Porém, é possível driblar essa “carência” com o consumo de frutas “A maçã ou banana assadas, polvilhadas com canela são boas opções de sobremesa. Além de contarem com o efeito termogênico da especiaria, que favorece o metabolismo.” E por falar em termogênicos, os chás são ótimas opções para turbinar a perda de peso e substituir bebidas calóricas: “Infusões como o chá verde, chá de hibisco e chá de gengibre são capazes de estimular a queima calórica e acelerar o metabolismo. Além de ajudarem na hidratação, determinadas ervas podem auxiliar na redução do apetite e na eliminação de toxinas.”Porém, isso não significa que as delícias próprias dessa época do ano estão proibidas: as festas juninas podem ser aproveitadas, desde haja moderação no consumo: “Alimentos como a pipoca, o milho cozido e até mesmo pinhão além de saborosos, são ricos em diversos nutrientes. A dica é consumi-los ocasionalmente, controlando a ingestão de gordura e sal. A compensação nos dias seguintes à festividade é uma forma de manter a forma sem abrir mão do prazer da alimentação. Se exagerou na quermesse, compense com exercício físico e alimentos saudáveis durante a semana.” – aconselha Sinara.

Aquecendo e emagrecendo – dicas para a dieta no inverno

Evite:

  • Alimentos industrializados: petiscos e fast foods são carregados de “calorias vazias” que propiciam o ganho de peso sem entregar nutrientes importantes ao organismo. Além disso, por serem refeições pesadas, vão dar a falsa sensação de saciedade, levando a longos intervalos sem se alimentar e, consequentemente, ao exagero nas próximas refeições;
  • Doces, massas e frituras: o consumo excessivo de açúcar e alimentos gordurosos leva à picos de glicose no sangue, favorecendo o acúmulo de gordura visceral e outros males à saúde como aumento do colesterol e do risco de desenvolver diabetes. Se desejar ingerir uma massa, opte pela pelas integrais e por molhos mais leves, como a versão ao sugo. Leite e seus derivados também devem ser consumidos moderadamente e, de preferência, nas versões desnatadas ou com pouca gordura;
  • Bebidas alcoólicas em excesso: nessa época do ano é comum o aumento do consumo de bebidas quentinhas para aquecer o corpo. Porém o consumo de vinho, whisky e outras bebidas alcoólicas para este fim é apenas mito. A vasodilatação provocada por esses drinks provoca justamente o contrário, passando uma falsa sensação de aquecimento, mas não aumenta em nada a temperatura corporal. Além disso, seu consumo deve ser moderado devido aos diversos efeitos adversos que o álcool provoca a silhueta e ao organismo.

Invista:

  • Chás e bebidas quentes à base de cafeína: espantam a preguiça e a sonolência, além de manterem o corpo aquecido. Alguns chás como o chá verde e o chá de hibisco são grandes aliados para perda de peso, além de auxiliarem na hidratação do organismo;
  • Caldos, sopas e ensopados: equilibrando corretamente a ingestão de proteínas e carboidratos, esses alimentos são boas formas de reduzir a ingestão calórica e ainda conseguir o efeito detox. Para pessoas que precisam de uma refeição sólida, caldos podem servir de entrada, auxiliando na saciedade.
  • Substitua doces por frutas in natura, frutas secas e oleaginosas: moderadamente, são opções mais saudáveis e ajudam a controlar a fome entre as refeições;
  • Faça lanches intermediários, porções saudáveis no intervalo entre o almoço e jantar ajudam a promover a saciedade e reduzir a ingestão calórica nessas refeições. Alimentar-se adequadamente de 3 em 3 horas facilita o emagrecimento;
  • Inclua alimentos termogênicos na dieta: canela, gengibre, pimenta, e farinhas termogênicas são opções para acelerar ainda mais o metabolismo e turbinar a queima de gorduras;
  • Pratique atividades físicas: se o seu objetivo é emagrecer, praticar exercícios deve estar na lista de prioridades do seu “projeto inverno”, e a boa notícia é que essa época é a ideal para isso.

O exercício espanta o frio e as gordurinhas

Apesar do clima não ser o mais convidativo para atividades físicas, valer-se do aumento do gasto calórico natural é uma oportunidade para entrar em forma e chegar na estação mais esperada do ano com o peso ideal. Com o aumento da produção de calor corporal, o metabolismo fica mais acelerado, e o gasto calórico proporcionado pelo exercício pode aumentar ainda mais a queima de gordura. Dessa forma, os exercícios praticados nessa época do ano podem surtir efeito mais rápido, desde que a alimentação seja controlada.A prática esportiva também é importante para espantar o mau humor característico dos dias frios, assim como os alimentos doces, o exercício físico é capaz de estimular a produção de serotonina – o hormônio do bem estar, e ao contrário das guloseimas, pode te ajudar a emagrecer. Para aqueles mais sedentários, começar nessa época pode ser difícil, mas é bastante compensador: como as academias estão menos cheias, a oportunidade para familiarizar-se com o ambiente é maior. Além disso, 30 minutos de atividade física diariamente já são o suficiente para regular o metabolismo e conseguir os benefícios próprios da vida ativa.Por mais que diminuir o ritmo da atividade física seja o mais comum entre os praticantes regulares nessa época do ano, o período também é ideal para mudar ou intensificar o treino: com a temperatura mais baixa, o desempenho pode ser beneficiado pela redução da fadiga e da desidratação, permitindo aumentar o ritmo da atividade. Obviamente, em ambos os casos, o acompanhamento de um preparador físico é indispensável e algumas dicas são importantes para realizar as atividades com maior segurança:
  • Faça um aquecimento antes da atividade. Além de preparar o corpo para os movimentos, reduz a chance de cãibras e lesões;
  • Apesar de sentirmos menos sede, a hidratação também é extremamente importante durante a prática esportiva. Mantenha-se hidratado durante o exercício;
  • Opte por horários em que a umidade relativa do ar está mais alta, principalmente pela manhã. Como o inverno é uma época seca, a respiração pode ser prejudicada pela qualidade do ar.
  • O esforço físico também aumenta a fome, portanto se o objetivo é emagrecer, controle bem a ingestão de carboidratos e gorduras;
  • Agasalhe-se moderadamente. Suar mais não quer dizer emagrecer. Dê preferência à roupas leves que te mantenham aquecido e, ao mesmo tempo, sejam confortáveis para a realização dos movimentos da atividade física.
 

Chá de hibisco x Chá verde: qual o melhor para emagrecer

Veja quais são as principais diferenças entre os chás funcionais do momentoO chá é uma das bebidas mais populares no mundo, além da grande variedade de aromas e sabores capazes de agradar qualquer paladar, seus efeitos medicinais e curativos justificam sua fama. Nos últimos anos, o poder terapêutico dessas bebidas ganhou ainda mais destaque com o aumento do consumo de ervas antes conhecidas apenas por culturas milenares, especialmente com o objetivo de perder peso. Desde então, é comum ouvir que determinada infusão é o “chá do momento” para potencializar a queima de gordura e ajudar na luta contra balança. Nessa onda, o chá verde se tornou um dos queridinhos no quesito emagrecimento, figurando entre os mais recomendados. Agora, fala-se cada vez mais do chá de hibisco como o mais novo aliado na luta contra a balança. Porém, isso significa que o hibisco é mais potente que o chá verde para a perda de peso? Vale a pena fazer a troca? Esclareça suas dúvidas a respeito das principais diferenças entre essas poderosas plantas e qual delas é mais adequada para sua dieta.

Propriedades naturais

Uma das maiores preocupações daqueles que desejam entrar em forma, indiscutivelmente, é a saúde. Essa é a razão pela qual o uso de chás na luta contra balança se tornou tão popular, suas propriedades totalmente naturais podem representar uma forma muito mais prática e segura de acelerar a perda de peso.Nesse quesito, tanto o chá verde quanto o chá de hibisco estão empatados: a origem dessas plantas é, no mínimo, próxima.  Enquanto o chá verde é extraído das folhas da planta chinesa Camellia Sinensis, o chá de hibisco é feito a partir das folhas e botões da flor Hibiscus Sabdariffa. Mas, cabe uma explicação: ao contrário do que muitos podem imaginar, não se trata daquela flor vermelha de cabinho longo, facilmente encontrada nos jardins. A variedade utilizada para preparo do chá de hibisco é conhecida por aqui como caruru-azedo ou vinagreira, e é de origem incerta, normalmente associada à África e Ásia.Largamente associadas à dietas de perda de peso, essas ervas também possuem propriedades muito benéficas à saúde como um todo, aumentando as dúvidas sobre qual delas é mais potente e pode tornar o processo de emagrecimento mais eficaz. De acordo com a nutricionista Sinara Menezes da Nature Center, especializada em produtos naturais “Ambos possuem características benéficas, inclusive similares, para perda de peso. Porém, alguns fatores podem tornar uma qualidade de chá mais indicada para determinada pessoa: restrições e preferências podem determinar qual variedade se encaixa melhor na dieta. Por isso, é preciso avaliar isoladamente as propriedades de cada chá, seus efeitos no organismo e até mesmo sua aceitação em relação ao paladar.” – explica.

Pontos em comum:

Reduzem a pressão arterial: Ambos possuem propriedades vasodilatadoras capazes de proteger o coração e reduzir a pressão sanguínea. O chá verde aumenta a produção de óxido nítrico, responsável por estimular a dilatação das artérias e aumentar a oxigenação sanguínea. O mesmo efeito é obtido através do consumo do chá de hibisco. A alta concentração de antocianina, poderoso antioxidante, proporciona aumento do fluxo sanguíneo e, consequentemente, redução da pressão arterial. Estudos evidenciam que o efeito vasodilatador proporcionado por essas ervas pode até mesmo prevenir contra problemas cardiovasculares.Reduzem o colesterol: pesquisas apontam que ambos os chás são capazes de reduzir o colesterol ruim (LDL). A alta concentração de flavonoides presentes no chá verde, especialmente as catequinas, combatem dois processos nocivos à saúde: a oxidação do LDL e a formação das placas ateroscleróticas (que podem levar ao entupimento de artérias). O consumo do chá de hibisco também pode auxiliar na diminuição da absorção do colesterol ruim, graças às antocianina, flavonoides capazes de aumentar a reduzir os níveis de LDL e triglicerídeos, além de aumentar o colesterol bom (HDL).Fortalecem o sistema imunológico: o chá verde tem sido associado à melhora do sistema imunológico graças à sua ação antioxidante e antimicrobiana. Pesquisas evidenciam que pessoas que consomem a bebidas estão menos sujeitas à resfriados, infecções virais e bacterianas.  A mesma ação é obtida através do chá de hibisco graças à alta concentração de vitaminas A e C, que ajudam no fortalecimento das funções imunológicas e no combate ao envelhecimento precoce.Podem ajudar no combate à diabetes: quando consumidos sem açúcar, ambos podem ajudar a combater fatores ligados ao surgimento da diabetes tipo 2, como colesterol, triglicerídeos e até mesmo a obesidade. Graças à sua propriedade alcalina, o chá verde pode auxiliar no controle da glicemia, favorecendo o pâncreas (secretor de insulina) e reduzindo os níveis de concentração de açúcar no sangue. Especialistas afirmam que a catequina presente no chá hibisco também auxilia no metabolismo do açúcar, estimulando a produção e insulina. Estudos apontam que o consumo de pelo menos 4 xícaras deste chá por dia, juntamente com uma dieta adequada, podem reduzir as chances do surgimento da doença.Emagrecem: certamente uma das questões de maior interesse de seus adeptos é também uma das principais vantagens de ambos os chás – tanto chá verde quanto chá de hibisco podem auxiliar na perda de peso graças à capacidade de acelerar o metabolismo. Ambos possuem efeito termogênico, que potencializa a queima de gordura e elevam o gasto metabólico basal. Como possuem propriedades diuréticas, combatem o inchaço e o acúmulo de toxinas do organismo, melhorando até mesmo o aspecto da pele.

Principais diferenças:

Diurético X Laxante: Ambos têm efeito diurético, ou seja, combatem a retenção de líquidos e eliminam toxinas. Porém, o chá de hibisco também possui propriedades laxativas, que graças à sua alta concentração de fibras, podem combater a constipação e o intestino preguiçoso.Calmante x Estimulante: Por possuir efeito termogênico, o chá de hibisco pode ser confundido com um chá estimulante, porém não se engane: o efeito dele é justamente o contrário – relaxante e calmante. Já o chá verde possui alta concentração de cafeína e, justamente por isso, aumenta o estado de atenção e agitação, além de espantar a fadiga.Valor nutricional: Ambos são ótimas fontes de vitaminas, porém o chá de hibisco diferencia-se pela sua alta concentração de cálcio, potássio, ferro, fósforo e magnésio. Além de fortalecer a saúde óssea, esses sais minerais favorecem a saúde como um todo.Produção de hormônios: estudos buscam elucidar a influência dessas ervas sob a produção e ação dos hormônios no organismo. Evidências apontam que o chá verde é capaz de reduzir a ação do cortisol, hormônio responsável pelo stress e pelo acúmulo de gordura abdominal. Apesar de carecer de maiores provas, esse indício corrobora ainda mais a eficácia do chá em relação ao emagrecimento.Sabor: o chá verde é conhecido por sua coloração forte e sabor amargo. Mesmo assim, seus benefícios ao organismo compensam o consumo. Porém, para aqueles que consideram a bebida literalmente difícil de engolir, o chá de hibisco pode ser uma escolha mais prazerosa e com o mesmo efeito emagrecedor – suave, pode ser comparado levemente com o sabor de framboesa.

Cautela é fundamental

Diante de tantas informações algumas observações devem ser feitas a respeito do consumo dessas ervas: a cautela e acompanhamento de um nutricionista para sua inclusão na dieta é fundamental. É recomendado que, independente da escolha, não se ultrapasse 4 xícaras da bebida por dia. O excesso pode sobrecarregar os rins e produzir efeitos significativos sob o sistema nervoso central: no caso do chá verde, insônia e dores de cabeça, já o chá de hibisco, sonolência e dificuldade de concentração. “Justamente por isso, é sempre recomendado consumi-los moderadamente. De preferência ao longo do dia, afim de não exercer grande impacto sob o sono.” – explica Sinara. Da mesma forma, idosos, gestantes e nutrizes devem evitar o consumo deliberado de qualquer substância, e pessoas com histórico de problemas de pressão conhecidos devem ter cautela, uma vez que ambos os chás surtem efeito sob a pressão arterial.

Palavra da nutricionista

Porém, a dica mais importante da profissional Sinara Menezes é “Combinar a ingestão de chás funcionais com uma dieta equilibrada e a prática de exercícios. Nenhum chá é capaz de fazer milagre sozinho, mas é um grande potencializador de resultados quando faz parte de um programa de reeducação alimentar. Eles podem auxiliar no controle do apetite e dar mais energia para prática de atividades físicas.” Outra boa notícia é que você não precisa necessariamente optar por um deles “A eficácia de ambos permite alternar o consumo regularmente afim de variar a dieta. O recomendado é preparar o chá a partir das folhas em água morna e consumi-lo sem açúcar. Dessa forma conserva-se ao máximo as propriedades da erva. Porém, para aqueles que desejam uma solução mais prática, já existem versões solúveis ou em cápsulas tão eficazes quanto os chás tradicionais, facilitam a ingestão no dia-a-dia e proporcionam os mesmos benefícios.” – finaliza.

Quer turbinar seu emagrecimento? Confira alguns chás que irão lhe ajudar no site da Nature Center.

Clique e compre aqui suplementos para emagrecimentos

Inscreva-se para receber novidades e ofertas exclusivas

SAC / Televendas: (31) 3063-8989
E-Mail: sac@naturecenter.com.br
Rua Juruá, Bairro da Graça, Belo Horizonte/MG - CEP 31140-020
© 2010 – 2020 – Nature Center - Todos Os Direitos Reservados